terça-feira, 30 de julho de 2013

ENTREVISTA EXCLUSIVA DO PAPA FRANCISCO - Por GERSON CAMAROTTI (Globonews)

Segunda-feira, 29 de julho de 2013

-  Papa Francisco, o senhor chega ao Brasil e tem uma receptividade muito calorosa dos brasileiros. Há uma rivalidade histórica Brasil e Argentina pelo menos no futebol. Como é que o senhor recebeu esse gesto de afeto dos brasileiros?

 PAPA FRANCISCO: Eu me senti recebido com um afeto que desconhecia, de forma muito calorosa.  O povo brasileiro tem um grande coração. Quanto à rivalidade, creio que já está totalmente superada. Porque negociamos bem: o Papa é argentino e Deus é brasileiro.
LEIA MAIS:

Seguir Jesus, desafio que exige compromisso (2ª parte)


Frei Gilvander Luís Moreira
FONTE: Adital

Subida de Jesus e do seu Movimento para Jerusalém, um Caminho de libertação.
[Leia também a Parte 1].
 
1 – Introdução.
"Jesus toma a firme decisão de partir para Jerusalém.” (Lc 9,51). "Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando e prosseguindo caminho para Jerusalém.” (Lc 13,22). Esses dois versículos emolduram a 1ª grande parte da Caminhada de Jesus e do seu movimento para Jerusalém (Lc 9,51-13,21). Muitas narrativas compõem essa parte imprescindível do Evangelho de Lucas. Vamos interpretar essas narrativas, não todas, observando como elas podem nos inspirar no Seguimento de Jesus e no compromisso com seu Projeto. Veremos os apelos de Jesus, suas exigências e o compromisso necessário para se seguir o Profeta da Galileia.
LEIA MAIS:

Quem mudará: a igreja ou os jovens?


Frei Betto
Fonte: Adital

A JMJ, que terminou hoje, é um evento criado para atrair jovens à Igreja Católica e despertar neles o espírito missionário.
 
Pesquisas indicam que o número de católicos se reduz em todo o mundo, especialmente entre jovens. No início do século XX, quase 90% da população da Europa Ocidental se assumiam como católica. Hoje, apenas 24%.
No Brasil, o DataPopular constatou que, em apenas três anos, o índice de jovens católicos se reduziu em 30,6%. Em 2010, 63% dos jovens entre 16 e 24 anos se declaravam católicos. Hoje, apenas 44,2%.
LEIA MAIS:

'Nossa, gostei tanto da declaração do Papa!'

A entrevista de Papa Francisco, concedida na viagem de volta do Brasil, repercutiu intensamente na imprensa internacional e nacional. O jornalista André Mags e a jornalista Larissa Roso, publicam, no jornal Zero Hora, 30-07-2013, algumas reações.
Ei-las.

LEIA MAIS:

'A viagem do Papa Francisco ao Brasil representou sua recepção pela Igreja da América Latina e Caribe'. Entrevista especial com Pedro Ribeiro de Oliveira

“Francisco pede a seus irmãos bispos que o ajudem a ser o bispo primaz de um colégio de pastores, e não um super-bispo romano com bispos auxiliares em cada diocese do mundo”, assinala o sociólogo.
Confira a entrevista.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

O QUE DISSE O PAPA NA VOLTA A ROMA

O Papa Francisco desembarca nesta segunda-feira (29) no aeroporto Ciampino, em Roma (Foto: Alessandro Bianchi/Reuters)O Papa Francisco desembarca nesta segunda-feira (29) no aeroporto Ciampino, em Roma (Foto: Alessandro Bianchi/Reuters)
O Papa Francisco disse nesta segunda-feira (29) que os homossexuais não devem ser "julgados ou marginalizados" e que devem ser integrados à sociedade.

Conversando com jornalistas a bordo do avião que o levou do Rio a Roma após a Jornada Mundial da Juventude, Francisco também afirmou que, segundo o Catecismo da Igreja Católica, a orientação homossexual não é pecado, mas os atos, sim.
LEIA MAIS:

Residência do Sumaré (RJ) - Íntegra da entrevista ao Fantástico do Papa Francisco

Pra mim é fundamental a proximidade da Igreja. Porque a Igreja é mãe, e nem você nem eu conhecemos uma mãe por correspondência. A mãe dá carinho, toca, beija, ama. Quando a Igreja, ocupada com mil coisas, se descuida dessa proximidade, se descuida disso e só se comunica com documentos, é como uma mãe que se comunica com seu filho por carta. Não sei se foi isso o que aconteceu no Brasil. Não sei, mas sei que em alguns lugares da Argentina isso aconteceu."
 

No ‘Fantástico’: Papa pede simplicidade e fala sobre escândalos

Francisco defendeu punição a quem ‘agiu mal’ na Igreja e relatou que cardeais discutiram problemas
O programa “Fantástico”, da Rede Globo, exibiu ontem, entrevista exclusiva do papa Francisco, a primeira desde que foi escolhido para o cargo. “Penso que temos que dar testemunho de uma certa simplicidade – eu diria, inclusive, de pobreza. O povo sente seu coração magoado quando nós, as pessoas consagradas, são apegadas a dinheiro”, afirmou o pontífice ao jornalista Gérson Camarotti, da GloboNews.

Papa Francisco concedeu entrevista exclusiva ao jornalista Gérson Camarotti, da GloboNews, a primeira desde que assumiu o cargo FOTO: REUTERS
O papa também tratou de temas delicados, como os escândalos no Vaticano. “Agora mesmo, temos um escândalo de transferência de US$ 10 ou 20 milhões de monsenhor. Belo favor faz esse senhor à Igreja, não é? Mas é preciso reconhecer que ele agiu mal, e a Igreja tem que dar a ele a punição que merece”, defendeu Francisco.

Ele relatou, ainda, que, antes do último conclave, houve congregações gerais, que são reuniões entre os cardeais. Na ocasião, acrescentou o pontífice, os religiosos conversaram sobre todos os problemas enfrentados pela Igreja. “Mas também havia os santos. Esses homens que deram sua vida para trabalhar pela Igreja de maneira silenciosa no Conselho Apostólico”, destacou.
LEIA MAIS:

A todas e todos que somos o MFPC-Ceará,

Na esperança que todos se encontrem bem e em paz, envio uma carta que acabo de receber do Padre Fr. Anthony Musaala. Por certo, todos se lembram da carta que enviamos no domingo depois da Páscoa, e que foi lida no mosteiro São Bento após a Missa do “Dominica in Albis”. Traduzi a carta do inglês para o português, enviando as duas versões para vocês. Hoje à noite enviarei um e-mail ao Fr. Musaala, agradecendo e comunicando que, em momento posterior, daremos resposta quanto à sua proposta, colocada na carta.

Para todos tudo de bom.
Abraço,
Geraldo – Claudete (29-07-2013)

LEIA MAIS:
 ===== ===== ===== ===== ===== ===== ===== ===== ===== =====

sábado, 27 de julho de 2013

Na Catedral do Rio, Papa Francisco convoca bispos, padres e religiosos para ir ao encontro das pessoas

FONTE: CNBB       
FranciscoCatedral27072013Na manhã deste sábado, 27 de julho, a Catedral Metropolitana de São Sebastião, no Rio de Janeiro (RJ) recebeu os bispos brasileiros, presbíteros e diáconos, além de religiosos e seminaristas, para a missa presidida pelo Papa Francisco. O pontífice foi acolhido na Catedral pelo arcebispo do Rio, dom Orani João Tempesta. Também concelebraram o presidente da CNBB, cardeal Raymundo Damasceno Assis; o vice-presidente da entidade, dom José Belisário da Silva, e diversos bispos brasileiros e estrangeiros, que pregaram as catequeses durante a Jornada Mundial da Juventude.
 LEIA MAIS:

Papa Francisco, no Angelus: "Os jovens saúdam os seus avós!"

FONTE: CNBB         
papapalaciosaojoquimNesta sexta-feira, 26 de julho, dia dedicado aos avós no Brasil, depois de conversar com vários jovens que foram se encontrar com ele no Palácio São Joaquim, da Arquidiocese do Rio, Papa Francisco fez sua meditação do "Angelus" e chamou a atenção de todos para a importância e o valor dos idosos.
 
Papa Francisco recebeu, na manhã desta sexta-feira, depois de conversar com alguns jovens que passam pela experiência da recuperação depois de terem cometido infrações, dirigiu-se ao balcão do Palácio São Joaquim para fazer a meditação do Angelus.  Agradeço a Divina Providência, disse o Papa, "por ter guiado os meus passos à cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro". Ele também agradeceu ao arcebispo do Rio, dom Oran Tempesta pelo caloroso acolhimento. "Gostaria que essa minha passagem pela cidade do Rio renovasse em todos, o amor a Cristo e pela Igreja, a alegria de estar unidos a Ele e pertencer a Igreja, o empenho de viver e de testemunhar a fé", afirmou.

LEIA MAIS:

O Papa da liberdade de espírito e da razão cordial

Por Leonardo Boff
26/07/2013
Uma das maiores conquistas da pessoa humana em seu processo de individuação é a liberdade de espírito. Liberdade de espírito é a capacidade de ser duplamente livre: livre das injunções, regras, normas e protocolos que foram inventados pela sociedade e pelas instituições para uniformar comportamentos e moldar personalidades segundo tais determinações. E significa fundamentalmente ser livre para ser autêntico, pensar com sua própria cabeça e agir consoante sua norma interior, amadurecida ao largo de toda vida, na resistência e na tensão com aquelas injunções.
 
E essa é uma luta titânica. Pois, todos nascemos dentro de certas determinações que independem de nossa vontade seja na família, na escola, na roda de amigos, na religião e na cultura que moldam nossos hábitos. Todas estas instâncias funcionam como superegos que podem ser limitadores e em alguns casos até castradores. Logicamente, estes limites desempenham uma função reguladora importante. Pelo fato de o rio possuir margens e limites é que ele chega ao mar. Mas estes podem também represar as águas que deveriam fluir. Então se esparramam pelos lados e se transformam em charcos.
LEIA MAIS:

O que o Papa Francisco trouxe até agora de novo / O Papa da liberdade de espírito e da razão cordial

Leonardo Boff
Adital


É arriscado fazer um balanço do pontificado de Francisco, pois o tempo decorrido não é suficiente para termos uma visão de conjunto. Numa espécie de leitura de cego que capta apenas os pontos relevantes, poderíamos elencar alguns pontos.

LEIA MAIS:

Papa admite incoerência da Igreja e costura apoio para reforma na Cúria

O papa Francisco reconheceu pela primeira vez em público as "incoerências" da Igreja e, em plena Jornada Mundial da Juventude, costura politicamente sua reforma da Cúria - que será iniciada assim que retornar a Roma.
 
A reportagem é de Jamil Chade e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 27-07-2013.
 
Durante a via-crúcis realizada na sexta-feira, 26, na Praia de Copacabana, o pontífice fez um mea-culpa, diante de uma Igreja que ele assumiu. Em um recado a todos que estão insatisfeitos com as instituições católicas, pede que voltem a colocar Cristo no centro de suas vidas. "Jesus se une a tantos jovens que perderam a fé na Igreja, e até mesmo em Deus, pela incoerência de cristãos e de ministros do Evangelho", declarou o papa.
 
Em pouco mais de quatro meses de pontificado, Francisco tem evitado temas como os escândalos sexuais da Igreja. Mas sabe que os problemas afetaram de forma profunda a imagem e a credibilidade do Vaticano. Parte deles vem justamente de dezenas de padres e bispos que, por anos, abafaram escândalos em comunidades, enquanto a Santa Sé fez vista grossa.

LEIA MAIS:

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Papa faz oração do Ângelus e lembra importância dos avós na vida de fiéis

26/7 - Papa Francisco reza o Ângelus com multidão de fiéis no Rio (Foto: Reprodução/Globo News)
 
Papa Francisco reza o Ângelus para uma multidão de fiéis no Rio de Janeiro
                                                (Foto: Reprodução/Globo News)
 
Francisco fez um breve discurso em que pediu saudação dos fiéis aos avós.
Pontífice participa na Glória de almoço com dois jovens de cada continente.
 
O Papa Francisco fez ao meio-dia desta sexta-feira (26) a oração do Ângelus no balcão do Palácio São Joaquim, na Glória, Zona Sul do Rio de Janeiro. Ele fez um breve discurso no qual lembrou a importância dos anciãos e das crianças na construção do futuro dos povos. Também pediu que os jovens presentes enviassem uma saudação aos seus avós, já que hoje no Brasil é celebrado o dia dos avós. Agora, o pontífice participa de um almoço com dois jovens de cada continente (incluindo o Brasil) no local.

LEIA MAIS:

PAPA FRANCISCO

"O encontro do Papa com jovens infratores vai fertilizar corações", afirma Pastoral Carcerária



RealAudioMP3 Rio de Janeiro (RV) – “Vejo em vocês a beleza do rosto jovem de Cristo e meu coração se enche de alegria!” “Hoje, vim para lhes confirmar nesta fé, a fé no Cristo Vivo que mora dentro de vocês; mas vim também para ser confirmado pelo entusiasmo da fé de vocês!”: duas frases usadas na noite de ontem na Praia de Copacabana durante a cerimônia de acolhida da Jornada Mundial da Juventude que ocorreu debaixo de forte chuva. Chuva que obrigou os organizadores da Jornada a transferir os eventos de sábado, a Vigília e a Missa de envio no domingo, do Campus Fidei, em Guaratiba, para a Praia de Copacabana. Segundo Dom Orani, Arcebispo da Arquidiocese do Rio de Janeiro e presidente do Comitê Organizador Local (COL) da JMJ, a chuva e o frio tornaram as atividades em Guaratiba inviáveis.
LEIA MAIS:

Carta ao Papa Francisco e convite a conhecer a realidade do povo pobre do campo brasileiro

CPT Nacional
Adital


A Comissão Pastoral da Terra (CPT), junto com as Pastorais do Campo, como Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), Serviço Pastoral do Migrante (SPM) e Pastoral da Juventude Rural (PJR), enviaram, através de Dom Enemésio Lazzaris, presidente da CPT, Carta ao Papa Francisco chamando-o para conhecer a realidade das comunidades rurais no Brasil. O documento, assinado por Dom Enemésio, salienta a postura simples do novo Papa, e as recorrentes falas de aproximação da Igreja aos pobres. Da mesma forma, apresenta o trabalho das Pastorais do Campo, que ouvem os clamores desses povos e suas lutas cotidianas pela garantia de seus direitos e pela permanência na terra.
A Carta destaca que a regularização dos territórios tradicionalmente ocupados e da tão sonhada reforma agrária, ainda são assuntos intermitentes na pauta governamental. Ao mesmo tempo, as Pastorais demonstram esperança de que um dia o Papa possa visitar essas comunidades, dando uma demonstração concreta do compromisso da Igreja, conforme Jesus, com os pobres na terra.
LEIA MAIS:

VISITA PRESIDENTE NACIONAL MFPC A RECIFE

Visita do Presidente José Edson ao MFPC de Recife PE
Acolhida para a reunião foi  na residência do casal: Mourão e Avaíde no dia 07 de Julho às 16h.
 A Abertura da reunião foi de responsabilidade do casal presidente local: Bernardo e Marta e em seguida todos os participantes se apresentaram. O momento espiritual foi fundamentado pela Leitura do Evangelho de São Mateus, 10, 1 – 12 e 17 – 20, tendo como ponto principal a evangelização das cidades. Bernardo apresentou slides de imagens da cidade de Recife, mostrando as belezas arquitetônicas e a reflexão do grupo foi além das belezas do Recife antigo, mas o que acontece nos bastidores das grandes cidades e qual seria o papel do Movimento dos Padres casados. Dentro da dinâmica dos encontros, Mourão o anfitrião apresentou uma reflexão sobre a conferência de Puebla, mostrando a importância para a nossa Igreja e que realmente foi esquecido ao longo do tempo.
 
LEIA MAIS:

DISCURSO DO PAPA EM VARGINHA

Queridos irmãos e irmãs,

Que bom poder estar com vocês aqui! Desde o início, quando planejava a minha visita ao Brasil, o meu desejo era poder visitar todos os bairros deste País. Queria bater em cada porta, dizer “bom dia”, pedir um copo de água fresca, beber um “cafezinho”, não cachaça, falar como a amigos de casa, ouvir o coração de cada um, dos pais, dos filhos, dos avós… Mas o Brasil é tão grande! Não é possível bater em todas as portas! Então escolhi vir aqui, visitar a Comunidade de vocês que hoje representa todos os bairros do Brasil. Como é bom ser bem acolhido, com amor, generosidade, alegria! Basta ver como vocês decoraram as ruas da Comunidade; isso é também um sinal do carinho que nasce do coração de vocês, do coração dos brasileiros, que está em festa! Muito obrigado a cada um de vocês pela linda acolhida! Agradeço a Dom Orani Tempesta e ao casal Rangler e Joana pelas suas belas palavras.

LEIA MAIS:

Para teólogo, legado da visita é o clero fora da sacristia

Em viagem pelo Brasil, o papa Francisco tem reforçado pelo menos três marcas de seu pontificado: a defesa por uma igreja missionária, mais perto do povo e menos fechada na sacristia; o combate à pobreza e à desigualdade social; e a afirmação de que o exemplo fala mais do que as palavras. Essa é a análise feita pelo padre e teólogo José Oscar Beozzo, doutor em história social e coordenador do Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular.
 
A reportagem é de Cristiane Agostine e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2013.
 
Autor de livros e artigos sobre a história da igreja no Brasil e na América Latina, o padre Beozzo disse que o papa Francisco tem mostrado ao longo de seus quatro meses de pontificado e em sua passagem pelo Rio de Janeiro e São Paulo que não quer uma igreja "burguesa". "O papa tem dito que a igreja tem que sair da sacristia e ir para a periferia, para onde o povo está precisando. Não quer uma igreja burguesa, acomodada. É um ponto fundamental", disse.

LEIA MAIS:

CELEBRAÇÃO - 01 ANO DE FALECIMENTO - JOSELILA - MFPC CEARÁ


 
A  Coordenação do MFPC Ceará e familiares convidam a todos para a CELEBRAÇÃO DE 01 ANO DE FALECIMENTO de nossa estimada JOSELILA esposa de nosso querido Pe, Elmas Moreira .
 Que o nosso bom Deus de amor e Vida Plena conforte-o, assim como a seus filhos, nesse momento de dor e saudades. Joselila já canta as glórias de Deus no Céu com tantos que como ela acreditaram na Vida eterna.
O MFPC se sente empobrecido pela ausência tão valiosa de Joselila, mas fica enriquecido e agradecido por sua carinhosa e corajosa convivência em nosso meio.
 
LOCAL: MOSTEIRO DE SÃO BENTO
DATA: SÁBADO - 27 DE JULHO
17 HORAS

TELEFONE: (85) 3276-2018,
Rua: Coronel Luís Fidélis, 939 - Bairro São Bento
CEP: 60.872.420 - Fortaleza - CE.
 

ATENCIOSAMENTE
CARLOS E ROSA - SECRETARIA MFPC CEARÁ

quinta-feira, 25 de julho de 2013

PAPA FRANCISCO

Papa visita Hospital São Francisco, que acolhe dependentes químicos



Rio de Janeiro (RV) – Após visitar o Santuário Nacional de Aparecida, o Papa Francisco foi de helicóptero até a Base Aérea de São José dos Campos, onde embarcou num avião até o Aeroporto Santos Dumont. De lá seguiu em carro fechado – devido à chuva - até o Hospital São Francisco, distante 16 km do aeroporto, onde chegou às 16hs20min, sendo calorosamente acolhido pelos presentes, entre eles o Secretário da Saúde do Rio de Janeiro, Sérgio Luiz Cortês da Silveira, o Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, além de autoridades civis e religiosas.

Protegido por um guarda-chuva, o Papa saudou os inúmeros fiéis que o aguardavam, envolvidos por capas e guarda-chuvas. Após, o Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, saudou o Pontífice, destacando esta iniciativa – que se une a outras – do Pólo de Atenção Especial à Saúde Mental, que pode receber 70 pessoas em crise de dependência. A seguir, falou o Diretor da Associação ‘São Francisco de Assis na Providência de Deus’, que apresentou a rede de trabalho com os dependentes químicos, formada pela Arquidiocese e por outras entidades e organizações. Dois jovens em recuperação deram o seu testemunho e a seguir, o franciscano coordenador do projeto, fez um efusivo pronunciamento.

LEIA MAIS:

Religiões: quando o cristianismo é pura intolerância

130724-inquisicao
Extremistas católicos e evangélicos querem agora vetar lei que regulamenta atendimento do SUS às vítimas de estupro. Decisão está com Dilma
Por Gabriela Leite
 
Certas leis podem, no máximo, reduzir danos. É o caso de um texto aprovado no último dia 11, no Congresso Nacional. Proposto no século passado (em 1999) pela deputada Iara Bernardi (PT-SP), ele estabelece as normas para atendimento, no Sistema Único de Saúde, das mulheres que foram vítimas de estupro. É um problema sabidamente grave, mas crescente. O número de casos deste crime no Brasil aumentou muito nos últimos anos. Só no primeiro semestre de 2013, a média na cidade de São Paulo foi de nove denúncias por dia. No Rio de Janeiro, os casos aumentaram 56% nos últimos quatro anos. Nestas situações, como os médicos da rede pública devem proceder?
LEIA MAIS:

Papa chama traficantes de "mercadores da morte"

O papa Francisco discursou ontem, no Rio de Janeiro, contra a legalização das drogas, durante visita ao Hospital São Francisco de Assis, que terá ala dedicada a tratamento de pessoas com dependência química. Segundo o pontífice, não é liberando o uso das drogas, como se discute em várias partes da América Latina, que será possível reduzir a difusão e a influência da dependência química. 
 
Esta foi a primeira vez que falou sobre drogas em seu pontificado.
Na ocasião, ele se referiu a traficantes como mercadores da morte. Segundo Francisco, a chaga do tráfico de drogas, que “favorece a violência e semeia a dor e a morte, exige da inteira sociedade um ato de coragem”. O santo padre defendeu ainda a necessidade de enfrentar os problemas que estão na raiz do uso das drogas, promovendo maior justiça, educando os jovens para os valores que constroem a vida comum, acompanhando quem está em dificuldade e dando esperança no futuro.

Shalom
Moisés Azevedo, fundador da comunidade católica Shalom, que surgiu aqui no Ceará e depois se alastrou pelo país, assistiu à solenidade no hospital, que fica no bairro Tijuca. Ele reforça que o papa visitou o hospital com o intuito de inaugurar uma área voltada especificamente para o tratamento de pessoas com dependência química. “Esse será um dos legados da Jornada Mundial da Juventude (JMJ)”.
 
Conforme Azevedo, a Igreja Católica realiza um grande trabalho no país inteiro em comunidades terapêuticas, por meio da evangelização. “A droga tem um poder de devastação que não é só o jovem que vai ser atingido. E através desse serviço misericordioso, a Igreja presta grande serviço a toda a sociedade”.
LEIA MAIS:

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Francisco, um papa latino-americano

Pe. José Oscar Beozzo
Adital
Foto: gazetado povo
Jorge Bergoglio é o primeiro papa na história da Igreja nascido nas Américas.
O que isto pode preconizar para seu pontificado? É difícil prenunciá-lo, mas se podem individuar práticas, experiências, dores e esperanças inscritas no DNA da Igreja na América Latina e que fazem parte da bagagem existencial e eclesial do Papa Francisco.
O continente, com presença humana há 40.000 anos e povoado por mais de dois mil e duzentos diferentes povos indígenas, com suas línguas, culturas e religiões, recebeu inicialmente, num processo de choque e violência militar, política, cultural e religiosa, um catolicismo ibérico forjado na luta contra os mouros. Trazia a marca tanto da recém-unificada Espanha, com a chegada ao Caribe, em 1492, de Cristovão Colombo, quanto o selo português, com a passagem, em 1500, pelo Brasil, de Pedro Álvares Cabral, em seu a caminho para as Índias. Mais tarde católicos e huguenotes franceses, anglicanos ingleses, reformados holandeses, luteranos dinamarqueses imprimiram diferentes vertentes ao cristianismo no Caribe, na costa atlântica da América central e do Sul e na América do Norte. A vinda de imigrantes de nações protestantes ou ortodoxas mais o trabalho missionário das igrejas protestantes, a partir do século XIX e a onda pentecostal do século XX diversificaram os rostos do cristianismo latino-americano ou levaram-no a conviver também com outras religiões trazidas por imigrantes da Índia, China, Japão ou Indonésia. Assiste-se hoje ao ressurgimento das antigas religiões indígenas e afro-americanas no seio de populações formalmente batizadas na Igreja católica.
LEIA MAIS:

Primeira homilia do Papa Francisco no Brasil: “conservar a esperança, deixar-se surpreender por Deus e viver a alegria” - Aparecida – São Paulo– 24 de julho de 2013


“É de Maria que se aprende o verdadeiro discipulado” disse o Papa Francisco, durante a celebração da Eucaristia, na Basílica de Nossa Senhora em Aparecida (SP). Essa é sua primeira homilia e também primeira viagem apostólica internacional durante a Jornada Mundial da Juventude. Papa Francisco começou dizendo que “quanta alegria me dá de vir a casa da Mãe Aparecida”. Lembrou que no dia seguinte a sua eleição, ele foi a Basílica de Santa Maria Maggiore, em Roma, para confiar meu pontificado. Hoje, disse o Papa, ele quis vir a Aparecida confiar a Jornada Mundial da Juventude e a vida do povo latino-americano.
LEIA MAIS:

terça-feira, 23 de julho de 2013

Papa Francisco está no Brasil para a JMJ Rio 2013: "Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais preciso me foi dado: Jesus Cristo!"

Cidade do Vaticano (RV) - O avião da Alitália que transportou o Papa Francisco ao Rio de Janeiro aterrissou às 15h45min no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, 17 minutos antes do previsto. O Santo Padre foi saudado às 16 horas, junto à escada do avião, pela Presidente Dilma Roussef, de quem recebeu flores.

O Papa passou a saudar então as autoridades presentes, entre os quais o Vice-Presidente da República, Michel Temer, o Governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, o Prefeito Eduardo Paes, o Presidente da CNBB, Cardeal Raimundo Damasceno Assis e o Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta. Um grupo de crianças cantou para o Papa o Hino da Jornada.

Após as primeiras saudações no Aeroporto, o Papa Francisco, que dispensou o Papamóvel neste primeiro trajeto, quis ter um primeiro contato com a população, fazendo um giro pela cidade num Fiat cor prata, sendo escoltado por três automóveis da segurança e oito batedores em motocicleta. Em algumas partes do trajeto, o carro do Papa viu-se em meio a um engarrafamento, sendo envolvido completamente pela população que tentava tocar o Pontífice ou apenas seu carro, dando muito trabalho à segurança. Nestas ocasiões, o Papa beijou algumas crianças.
LEIA MAIS:

"Francisco não é um nome, é um projeto de Igreja", afirma Leonardo Boff

Os discursos que o papa Francisco vai fazer durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) devem tratar de temas como dignidade, justiça social, solidariedade, direitos humanos, combate à pobreza e à corrupção, ecologia e consumismo. A avaliação é do teólogo e professor Leonardo Boff, para quem os tópicos representam a linha que o papa pretende seguir para transformar a Igreja Católica.
 
A reportagem é de Cristina Indio e publicada pela Agência Brasil, 21-07-2013.
 
"Creio que ele vai prolongar o discurso que já era característico dele como cardeal em Buenos Aires, dizendo que a pobreza não se combate com a filantropia, se combate com justiça social. E ele disse mais, disse que nenhuma solução é eficaz para os pobres se ela não incluir os próprios pobres", disse em entrevista Leonardo Boff à Agência Brasil.
 
Para o teólogo, nessa que será a primeira viagem internacional do papa Francisco, o pontífice deve abordar nos pronunciamentos atitudes concretas para a reformulação da Igreja, como apuração das denúncias de irregularidades no Banco do Vaticano e tolerância zero aos pedófilos. "É um crime que deve ter como punição pelo menos de oito a doze anos de prisão. O papa já depôs a diretoria do Banco do Vaticano e já está preso o tesoureiro que transportou, da Suíça para a Itália, em um aviãozinho, 20 milhões de euros. Então é um homem que não é só o franciscano, da ternura e fraterno com todo mundo, mas é também o jesuíta, que pode ter a mão forte”.
LEIA MAIS:

Assediado pela multidão e mais feliz do que no Vaticano

No Rio de Janeiro, nas primeiras horas de permanência de Francisco no Brasil, na cidade da Jornada Mundial da Juventude, foram vividos momentos de tensão. Do aeroporto até a cidade, o papa foi em um Fiat Idea, antes de tomar o jipe descoberto. Mas o cortejo papal errou de caminho e se encontrou engarrafado em uma avenida, bloqueado por uma fila de ônibus, com as pessoas que cercaram completamente o carro do pontífice. Poderia ter acontecido de tudo, mas Francisco permaneceu sorridente, como se viu depois que ele subiu no jipe branco descoberto, o mesmo que ele usa para as audiências na Praça de São Pedro: ele atravessou a cidade entre duas alas de multidão festejante.
LEIA MAIS:

Papa no Brasil

Está na boca dos teólogos e na percepção dos fiéis: Francisco é um homem que fala por gestos. E seu comportamento no primeiro dia de visita ao Brasil só reafirma o quão franciscano esse jesuíta tem se mostrado.
 
Ainda no domingo, 21, na partida do aeroporto de Roma, não delegou sua valise a assessor algum. Levou a mala preta na mão esquerda. Durante o voo, Francisco saiu da primeira classe e foi conversar com os jornalistas acomodados na classe econômica.

Ao chegar ao Rio de Janeiro, no meio da tarde, embarcou em um Fiat Idea - carro simples e sem blindagem, cujo preço varia de R$ 43 mil a R$ 52 mil. Pouco após o início do trajeto do Galeão até o centro da cidade, a multidão conseguiu cercar o carro. Os seguranças não conseguiram deter os braços dos fiéis que se esticavam na esperança de tocar o pontífice. A cena de vulnerabilidade não assustou o papa. Durante todo o itinerário, ele manteve o vidro completamente aberto. Tão aberto que uma mãe conseguiu fazer o filho chegar às mãos de Francisco, que não hesitou em puxá-lo para o carro e beijá-lo.
LEIA MAIS:

segunda-feira, 22 de julho de 2013

PAPA FRANCISCO


Mundo

Papa Francisco pede que fiéis rezem por ele em sua viagem ao Brasil

Pontífice pediu às milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro que o "acompanhem espiritualmente com orações" durante sua visita ao país, onde participa da Jornada Mundial da Juventude.
O papa Francisco pediu neste domingo (21/07) aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro, no Vaticano, que rezem por ele durante sua viagem ao Rio de Janeiro.
Na primeira viagem fora da Itália desde que se tornou papa, há quatro meses, o pontífice chega ao Brasil nesta segunda-feira, onde participa da Jornada Mundial da Juventude, realizada entre os dias 23 e 28 de julho. O evento jovem, também conhecido por alguns como o "Woodstock católico", por seu caráter de festival, deve atrair até 1,5 milhão de pessoas de 170 países.
"Peço que me acompanhem espiritualmente com suas orações durante minha viagem, que começa amanhã", disse o papa diante de milhares de peregrinos, após pronunciar a tradicional bênção do Ângelus.
Freira com bandeira do Brasil durante a bênção Ângelus, no Vaticano
Ele mencionou a viagem ao Brasil, após ler uma faixa lhe desejando boa viagem, empunhada por um grupo de fiéis. "Haverá lá muitos jovens de todas as partes do mundo. É por isso que podemos chamá-la de semana da juventude. Os protagonistas desta semana serão os jovens", acrescentou.
 
Chegada na segunda (HOJE)
No sábado, o pontífice havia feito uma visita surpresa à Basílica de Santa Maria Maggiore, em Roma, onde rezou pela Jornada Mundial da Juventude e pediu à Virgem proteção aos jovens que viajam ao Brasil.
O papa Francisco chega nesta segunda-feira ao Rio de Janeiro, onde será recebido pela presidente Dilma Rousseff. Para a quarta-feira está programada uma visita ao santuário de Aparecida. Além de grandes missas, constam ainda de sua agenda visitas à favela de Manguinhos e a um presídio. O retorno a Roma está marcado para a noite de domingo.
 

PAPA DA RUPTURA

Mundo

"Este é o papa da ruptura", afirma teólogo Leonardo Boff

Em entrevista à DW Brasil, um dos principais críticos do conservadorismo católico elogia Francisco, afirmando que ele começou uma reforma do papado e pode dar início a uma dinastia de papas de países do Terceiro Mundo.
 
O papa Francisco vai inaugurar uma nova era para a Igreja Católica durante a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro. Essa é a convicção do teólogo Leonardo Boff, que em 1992 deixou todos os cargos na igreja, após ser censurado pelo Vaticano.
 
Em entrevista à DW Brasil na sua casa em Petrópolis (RJ), o teólogo elogiou Francisco, afirmando que ele é o papa da ruptura. "Essa é a palavra que Bento 16 e João Paulo 2º mais temiam. Eles acreditavam que a igreja tinha que ter continuidade", avaliou Boff.
O teólogo, um dos expoentes da Teologia da Libertação, disse acreditar que Francisco vai falar sobre os recentes protestos no Brasil. "Ele fez uma declaração corajosa em Roma, dizendo que os políticos têm que escutar os jovens na rua; que a causa dos jovens é legítima, justa e que estaria em conformidade com o evangelho."
 
DW Brasil: No Rio de Janeiro, mais de um milhão de fiéis católicos vão se reunir e celebrar a fé durante a Jornada Mundial da Juventude. No século 21, o cristianismo ainda precisa da figura de um papa?
 
Leonardo Boff: Fundamentalmente não precisaria de um papa. A igreja poderia se organizar numa vasta rede de comunidades. Mas, à medida em que a igreja foi se transformando numa instituição e assumindo uma função política no Império Romano, ela assumiu também os símbolos do poder: o próprio nome "papa", que era exclusivo dos imperadores, e aquela capinha cheia de ouro, que só os imperadores podiam usar, mas que os papas todos usavam. Então, esse curso de uma igreja que tem uma função política dentro do Império Romano em decadência obrigava a igreja a ter um centro de referência. Francisco, quando ofereceram a ele aquela capinha, disse "O carnaval acabou, não quero isso".
 
Então, esse papa chegou para mudar?
 
Eu acho que esse é o papa da ruptura. Essa é a palavra que Bento 16 e João Paulo 2º mais temiam. Eles acreditavam que a igreja tinha que ter continuidade, portanto o Concílio Vaticano Segundo não poderia significar ruptura com o Primeiro. Mas não, agora há uma ruptura, a figura do papa não é mais a clássica, é outra. Francisco não começou com a reforma da cúria, começou com a reforma do papado.
 
O que você quer dizer com "reforma do papado"?
 
Na Europa vivem só 24% dos católicos. Na América Latina são 62%, e o restante está na África e na Ásia. Então hoje, o cristianismo é uma religião do Terceiro Mundo, que um dia teve origem no Primeiro Mundo. Acho que o papa Francisco vai criar uma dinastia de papas do Terceiro Mundo. Além disso, as nossas igrejas já não são mais igrejas de espelho, imitando as europeias; são igrejas fonte, criaram suas tradições, têm os seus mártires, seus mestres, suas formas de celebrar, têm suas teologias e profetas e figuras importantes, como dom Hélder Câmara e Óscar Romero. Essas igrejas estão dando vitalidade ao cristianismo.
 
Por que o senhor está tão otimista? Os problemas da Igreja Católica continuam: a exclusão dos divorciados, a discriminação dos homossexuais, a proibição de mulheres-sacerdotes...
 
O papa deu um exemplo claro. Ele soube que um pároco em Roma negou o batismo ao filho de uma mulher solteira. E o papa disse: "Esse padre está errado, porque não existe mãe solteira. Existe mãe e filho. E ela tem o direito de ver o filho batizado, porque a igreja tem que ter as portas abertas, pouco importa a condição moral da pessoa". E ele foi mais fundo ao dizer que não se pode inventar um oitavo sacramento, proibindo os fiéis que não se enquadrem na disciplina eclesiástica de participar da vida da igreja e dos sacramentos. Até agora, os temas de moral sexual, de moral familiar, de celibato e de homossexualidade eram proibidos de serem discutidos. Se um teólogo ou um padre discutisse esse assunto, era logo censurado. Agora, ele vai permitir a discussão.
 
No Brasil, nas últimas semanas, milhares de jovens foram às ruas protestar contra os políticos corruptos e os altos investimentos nos estádios de futebol. Qual é o recado que o papa vai dar aos jovens?
 
Ele fez uma declaração corajosa em Roma, dizendo que os políticos têm que escutar os jovens na rua; que a causa dos jovens é legítima, justa e que estaria em conformidade com o evangelho. Eu acho que ele vai fazer uma convocação crítica aos políticos, para que eles não sejam mais corruptos e passem a servir mais ao povo. E vai fazer um desafio aos jovens de continuar a transformação da sociedade, mas sem violência. E aí exclui todos esses vândalos que nos últimos dias mostraram uma violência absolutamente injustificável e estúpida.
 
O senhor disse que os programas sociais no Brasil "incluíram uma Argentina inteira na sociedade brasileira". Por que então as pessoas protestam contra o governo brasileiro?
 
Curiosamente, elas não são contra o PT, a Dilma ou o Lula. Elas mostram uma insatisfação geral com o Brasil que temos, que é um país com profundas desigualdades. São 5.000 famílias brasileiras que controlam 43% de toda a riqueza nacional. Além disso, o próprio PT atingiu o seu teto. Ou ele muda e refaz a sua relação orgânica com os movimentos sociais, ou ele se transforma num partido como os demais, que buscam o poder e acabam se corrompendo.
 
A classe média brasileira parece não estar gostando tanto dos programas de inclusão social do governo brasileiro. Ela foi deixada de lado?
 
Com Lula, os ricos ficaram mais ricos, e os pobres saíram da pobreza. Todo mundo ganhou. Eu creio que o governo do PT não fez só uma distribuição de renda, favorecendo os pobres, mas também fez uma redistribuição. Tirando de quem tem e passando para quem não tem. Só que ele não aplicou isso às grandes fortunas. Ele tirou da classe média, que ficou mais pobre.
 
O senhor acredita que os políticos vão atender ao recado do papa na Jornada Mundial da Juventude?
 
Eu acho que ele vai ser muito importante para a América Latina, porque o modo de ser dele vai reforçar as novas democracias, que nasceram na resistência aos militares e estão fazendo boas políticas sociais para os pobres, com inclusão. Então, ele tem uma função política importante. A Cristina Kirchner, que vivia em polêmica com ele, entendeu a lição e fez as pazes. Mas por quê? Porque o papa move multidões. Talvez ninguém no mundo hoje possa reunir um milhão de pessoas. Político nenhum, nem mesmo o Obama.
 
Mas a Igreja Católica perdeu poder e influência?
 
Institucionalmente, a igreja no Brasil está numa profunda crise. Pelo número de católicos, deveríamos ter 100 mil padres. Temos 17 mil. Criou-se um vazio, pelo qual entraram as igrejas pentecostais. E com razão. Como o povo é religioso, quem vem falar de Deus, ele [o povo] adere, porque indo para Deus, podemos somar sempre. Para batismo, casamento e enterro, é a Igreja Católica. Para saber o outro lado do mundo, ele vai para o espiritismo. Para as questões de sorte e amor, ele vai num centro de macumba. O povo não tem uma visão doutrinária, tem uma visão prática. É um supermercado religioso, com muitos produtos, e o povo vai se servindo.
 
Com Francisco, a Teologia da Libertação vai voltar?
 
Com este papa, ela vai ganhar visibilidade. Antes se dizia que a Teologia da Libertação era uma teologia marxista. Agora se diz que ela é uma teologia católica. Isso muda a atmosfera da igreja.
 

PAPA FRANCISCO

Francisco aos jovens: "Coração cheio de alegria para celebrar com vocês a JMJ"



Cidade do Vaticano (RV) – Como programado, o Papa Francisco deixou o aeroporto de Fiumicino esta manhã, pouco depois das 8h45, a bordo de um avião da companhia Alitalia, dando início à sua primeira viagem internacional, por ocasião da 28ª Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro.

Antes de embarcar carregando pessoalmente sua bagagem de mão, o Pontífice cumprimentou as autoridades locais, entre as quais o Primeiro-Ministro italiano, Gianni Letta. Integram a comitiva papal o Secretário de Estado, Card. Tarcisio Bertone, o Cardeal brasileiro João Braz de Aviz, o Presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina, Card. Marc Ouellet, e o Substituto para os Assuntos Gerais da Secretaria de estado, Dom Angelo Becciu.

Viajam no mesmo avião do Santo Padre cerca de 70 jornalistas, de 15 nacionalidades. Entre os brasileiros, há oito repórteres e dois cinegrafistas. Da Argentina, apenas dois jornalistas.

A chegada ao Rio de Janeiro está prevista para as 16h locais (21h de Roma), onde será acolhido no aeroporto Tom Jobim pela Presidente do Brasil, Dilma Rousseff. A cerimônia de boas-vindas será feita uma hora depois no Palácio Guanabara – ocasião em que o Pontífice fará o primeiro dos 15 discursos em solo brasileiro. A seguir, haverá a visita de cortesia à Presidente, a troca de presentes, e dois breves encontros com o Governador do Rio, Sérgio Cabral, e o Prefeito da cidade, Eduardo Paes.

Estes dois eventos, seja a cerimônia de boas-vindas, seja a visita de cortesia, serão transmitidos ao vivo pela Rádio Vaticano, com comentários em português, a partir das 16h50 – hora local. (21h50 – horário de Roma).

O Papa deixa o Palácio Guanabara às 18h15 e segue para a Residência do Sumaré, onde ficará hospedado até o final de sua visita ao Rio, no dia 28 de julho. Terça-feira, não estão previstos eventos públicos com o Pontífice.

Aos jovens que já estão no Rio de Janeiro, Francisco tuitou: “Dentro de algumas horas chego ao Brasil, e já sinto o coração cheio de alegria por em breve estar celebrando com vocês a 28ª JMJ”.
(BF)



Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2013/07/22/francisco_aos_jovens:_coração_cheio_de_alegria_para_celebrar_com/bra-712489
do site da Rádio Vaticano

M F P C - CEARÁ - PLANO DE AÇÃO 2013 - 2014

Em reunião realizada no dia 20 de julho último, foi montado por todos o  “PLANO DE AÇÃO PARA O BIÊNIO 2013-2014”. Desejamos desenvolver trabalhos em cinco frentes, sendo que cada uma delas tenha uma equipe responsável, formada por três pessoas ou casais. Este plano de ação deverá ser reavaliado em 2015.
---------------------------------------------------------------------

Ø FORMAÇÃO PERMANENTE / A NOSSA ESPIRITUALIDADE

 O Encontro Nacional de junho/julho de 2012 seguiu as seguintes etapas:

- pré-encontro: estudo de textos referentes ao tema;

- o próprio encontro: palestras e debates;

- pós-encontro: discutir e aprofundar encaminhamentos do encontro; desencadear ações concretas; provocar novas reflexões e ações.

Como concretizar estas idéias propositivas para o pós-encontro?

 Vida e fé caminham de mãos dadas. Todas e todos nós precisamos nos enriquecer e fortalecer, mutuamente e em conjunto, alimentando a nossa espiritualidade.

Há práticas alternativas de nos encontrarmos em momentos de reflexão em comunidade?
 
EQUIPE: Rosa e Gil, Socorro e Dourado, Claudete e Geraldo, Brandão

--------------------------------------------------------------------------------------

Ø CHAMAR NOVOS PARTICIPANTES PARA O MFPC

 

É desejo de todas e de todos que haja mais participantes ativos nos encontros e em outras atividades do MFPC-Ceará.

Como atrair novos casais para fortalecer e, ao mesmo tempo, rejuvenescer o MFPC-Ceará?

EQUIPE: Lucia e Edson, Ester Mota, Margarida e Aroldo, Homéria e Luciano

-------------------------------------------------------------------------------

Ø VIDA SOCIAL

 Procurar meios e planejar momentos a fim de promover encontros que têm por finalidade nosso encontro como amigos e amigas de uma mesma família

Quais encontros/atividades podem ser propostos?
EQUIPE: Rosa e Carlos, Mirian Frota, Wilma e Venceslau, Rejane e Pepé, Luana e Wodson

-----------------------------------------------------------------------------

Ø O MFPC DE DENTRO PARA FORA

 Desejamos apresentar-nos mais para fora, tanto no âmbito da Igreja, como na sociedade em geral através de comunicações, entrevistas, publicações, seminários, etc.

Como concretizar isso?

 EQUIPE: Lourenço e Cecília, Enoch e Fátima, Elmas, Carlos
 
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
FOTOS REUNIÃO 20 DE JULHO DE 2013: