sexta-feira, 19 de setembro de 2014

A identidade cristã cumpre-se com a nossa ressurreição - o Papa Francisco em Santa Marta

A identidade cristã cumpre-se com a nossa ressurreição - o Papa Francisco em Santa Marta




O caminho do cristão cumpre-se na Ressurreição – esta a mensagem essencial do Papa Francisco na homilia da manhã desta sexta-feira na Casa Santa Marta.
O Santo Padre, comentando as palavras de S. Paulo na Primeira Carta aos Coríntios, destacou que os cristãos parecem ter dificuldade em acreditar na transformação do próprio corpo após a morte. Centralizou a sua homilia sobretudo na primeira leitura onde S. Paulo tem que fazer uma “correção difícil”, “a da Ressurreição”.

leia mais:

O Apóstolo dos gentios dirige-se à comunidade de cristãos de Corinto, eles acreditavam que “Cristo ressuscitou” e “ajuda-nos do céu”, mas não estava claro para eles que “também nós ressuscitaremos”. Tal como S. Pedro ou Maria Madalena na manhã da Ressurreição que pensavam ter sido roubado o corpo de Jesus – observou ainda o Santo Padre que recordou que quando S. Paulo vai a Atenas e começa a falar da Ressurreição de Cristo, os gregos sábios e filósofos, ficaram assustados:

“Mas a ressurreição dos cristãos é um escândalo, não podem entendê-la. E é por isso que Paulo faz este raciocínio, raciocina assim, de modo claro: “Se Cristo ressuscitou, como podem dizer alguns entre vós que não há ressurreição dos mortos? Se Cristo ressuscitou, também os mortos serão ressuscitados’. Há resistência à transformação, a resistência para que a obra do Espírito que recebemos no Batismo nos transforme até ao final, até à Ressurreição. E quando falamos disto, a nossa linguagem diz: ‘Mas, eu quero ir para o Céu, não quero ir para o inferno', mas paramos ali. Nenhum de nós diz: “Eu ressuscitarei como Cristo’: não. Também para nós é difícil entender isso.”
Esta “tentação de não crer na Ressurreição dos mortos – prosseguiu o Santo Padre – nasceu” nos “primeiros dias da Igreja”. E quando Paulo teve de falar sobre isso aos Tessalonicenses, “no fim, para consolá-los, para encorajá-los disse uma frase mais plena de esperança que está no Novo Testamento. Disse assim: “No fim, estaremos com Ele”. Eis pois como é a identidade cristã: “Estar com o Senhor – afirmou o Papa Francisco:

“Este é o futuro que nos espera e este é o facto que nos leva a fazer tanta resistência: resistência à transformação do nosso corpo. Também, resistência à identidade cristã; Direi mais: talvez não tenhamos tanto pavor do Maligno do Apocalipse, do Anticristo que deve vir primeiro; talvez não tenhamos tanto pavor da voz do Arcanjo ou do som da tromba: mas, será a vitória do Senhor. Mas pavor da nossa ressurreição: todos seremos transformados. Será o fim do nosso percurso cristão, essa transformação. (RS)

FONTE: RADIO VATICANO

Nenhum comentário:

Postar um comentário