terça-feira, 18 de novembro de 2014

Relatório do Sínodo dos Bispos sobre a Família:

«Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização»

Finalmente, depois de uma longa espera, apareceu uma tradução portuguesa do Relatório do Sínodo dos Bispos sobre a Família
O relatório pode ser lido no original italiano aqui. A presente tradução foi feita por Família Cristã, 13-11-2014. O discurso do Papa Francisco, no final do Sínodo, em português, pode ser lido aqui

Relatório do Sínodo dos Bispos sobre a Família: «Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização»
 LEIA MAIS:

Índice
INTRODUÇÃO

I PARTE
A escuta: o contexto e os desafios sobre a família
O contexto sociocultural
A relevância da vida afetiva
O desafio às pastorais

II PARTE
O olhar em Cristo: o Evangelho da família
O olhar em Jesus e a pedagogia divina na história da salvação
A família no desígnio salvífico de Deus
A família nos documentos da Igreja
A indissolubilidade do matrimónio e a alegria de viver junto
Verdade e beleza da família e misericórdia para com as famílias feridas e fragilizadas

III PARTE
O confronto: perspetivas pastorais
Anunciar o Evangelho da família hoje nos diferentes contextos
Guiar os nubentes no caminho de preparação ao matrimónio
Acompanhar os primeiros anos da vida matrimonial
Cuidados pastorais para com aqueles que vivem o matrimónio civil ou em convivência
Curar as famílias feridas (separados, divorciados não casados novamente, família monoparentais)
A atenção pastoral para com as pessoas de orientação homossexual
A transmissão da vida e o desafio da nãonatalidade
O desafio da educação e o papel da família na evangelização
CONCLUSÃO


1. O Sínodo dos Bispos, reunido com o Papa, reflete sobre todas as famílias do mundo, com suas alegrias, fadigas e esperanças. Ele sente, de modo particular, o dever de agradecer a Deus a generosa fidelidade com que tantas famílias cristãs correspondem à sua vocação e missão. E o fazem com alegria e fé, também quando o caminho lhe oferece obstáculos, incompreensões e sofrimentos.
A essas famílias dirigimos o apreço, o agradecimento e o encorajamento de toda a Igreja e deste Sínodo. Na vigília de oração celebrada na Praça São Pedro, no sábado, 4 de outubro, sobre a família, o Papa Francisco evocou de maneira simples e concreta a centralidade da experiência da família na vida de todos. Disse o seguinte: “Já cai a noite sobre a nossa assembleia. É hora em que se volta de boa vontade para casa, a fim de reencontrar-se à mesma mesa, na segurança dos afetos, do bem realizado e recebido, nos encontros que aquecem o coração e o fazem crescer, com o vinho bom que antecipa nos dias do homem a festa que não termina. É também a hora mais difícil para quem se reencontra com a própria solidão, no crepúsculo amargo dos sonhos e dos projetos fracassados: quantas pessoas arrastam os dias no beco sem saída da resignação, do abandono, ou mesmo do rancor; em quantas casas falta o vinho da alegria, portanto, o sabor – a sabedoria mesma – da vida [...] De uns e de outros, lembramos esta noite com a nossa oração, uma oração por todos”.
2. Fonte de alegrias e de provas, de afetos profundos e de relações, por vezes feridas, a família é de fato “escola de humanidade” (GaudiumetSpes, 52), da qual se sente fortemente necessidade. Não obstante sejam tantos os sinais de crise da instituição familiar nos vários contextos da “aldeia global”, o desejo de família permanece vivo, especialmente entre os jovens, e motiva a Igreja, especialista em humanidade e fiel à sua missão, a anunciar constantemente e com profunda convicção o “Evangelho da família”, que lhe foi confiado mediante a revelação do amor de Deus em Jesus Cristo e, ininterruptamente, ensinado pelos Padres, pelos Mestres de espiritualidade e pelo Magistério da Igreja.
Para a Igreja, a família assume uma importância toda particular, e, no momento em que todos os fiéis são convidados a sair de si mesmos, é preciso que a família se redescubra como sujeito imprescindível para a evangelização. Lembramos o testemunho missionário de tantas famílias.
3. Sobre a realidade da família, decisiva e preciosa, o Bispo de Roma convidou o Sínodo dos Bispos a refletir na Assembleia Geral Extraordinária de outubro de 2014, para aprofundar depois tal reflexão na Assembleia Geral Ordinária, que acontecerá em outubro de 2015, além do ano inteiro que decorre entre os dois eventos sinodais. “O próprio reunir-se todos em torno do Bispo de Roma já é um evento de graça, em que a colegialidade episcopal se manifesta num sentido de discernimento espiritual e episcopal.” Foi assim que o Papa Francisco descreveu a experiência do Sínodo, indicando-lhe as finalidades na dúplice escuta dos sinais de Deus e da história dos homens e na dúplice e única fidelidade que daí deriva.
4. À luz dessas palavras, recolhemos os resultados de nossas reflexões e dos nossos diálogos, nas três partes que seguem: a escuta, para contemplar a realidade da família hoje, na complexidade de suas luzes e sombras; o olhar fixo em Cristo, a fim de repensar, com renovado frescor e entusiasmo, tudo quanto a revelação, transmitida pela fé da Igreja, nos diz sobre a beleza, sobre a finalidade e dignidade da família; o confronto, à luz do Senhor Jesus, a fim de discernir os caminhos pelos quais renovar a Igreja, e a sociedade, no seu empenho pela família, fundada sobre o matrimónio entre homem e mulher.

I PARTE
A escuta: o contexto e os desafios sobre a família
O contexto sociocultural
5. Fiéis ao ensinamento de Cristo, contemplamos a realidade da família hoje, em toda a sua complexidade, nas suas luzes e nas suas sombras. Pensamos nos pais, nos avós, nos irmãos e irmãs, nos parentes próximos e distantes e nos laços entre duas famílias que todo matrimónio une. A mudança antropológico-cultural influencia todos os aspetos da vida e requer uma aproximação analítica e diversificada. Ressaltam-se, antes de tudo, os aspetos positivos: maior liberdade de expressão e melhor reconhecimento dos direitos da mulher e da criança, ao menos em algumas regiões. Mas, por outro lado, é preciso considerar também o crescente perigo representado pelo individualismo exasperado, que desnatura os laços familiares e acaba por considerar cada membro da família como se fosse uma ilha, e faz prevalecer em certos casos a ideia de um sujeito que se constrói segundo os próprios desejos, assumidos como um absoluto. A isso, acrescenta-se a crise da fé que atinge tantos católicos e, com frequência, está na origem das crises do casamento e da família.
6. Uma das maiores pobrezas da cultura atual é a solidão, fruto da ausência de Deus na vida das pessoas, bem como da fragilidade das relações. Existe uma sensação geral de impotência, perante a realidade socioeconómica que frequentemente acaba por destruir as famílias. Dessa forma, é pela crescente pobreza e precariedade de trabalho que ela vive por vezes como um verdadeiro pesadelo, ou por razão de um rigor por demais pesado que certamente desencoraja os jovens para o matrimónio. Com frequência, as famílias se sentem abandonadas pelo desinteresse ou pela pouca atenção da parte das instituições. As consequências negativas do ponto de vista da organização social são evidentes: da crise demográfica às dificuldades educacionais, da dificuldade em acolher a vida nascente até o perceber a presença dos anciãos como um peso, até mesmo a difundir um mal-estar afetivo que chega por vezes até a violência. É responsabilidade do Estado criar condições, através de leis e de trabalho a fim de garantir o futuro dos jovens e ajudá-los a realizar seu projeto de fundar uma família.
7. Há contextos culturais e religiosos que propõem desafios particulares. Em algumas sociedades, ainda vigora a prática da poligamia e, em alguns contextos tradicionais, a prática do “matrimónio por etapa”. Em outros contextos, permanece a prática dos matrimónios combinados. Nos países em que a Igreja católica é minoritária, são numerosos os matrimónios mistos e de disparidade de culto, com todas as dificuldades que isto comporta em relação à configuração jurídica, ao batismo e à educação dos filhos e ao recíproco respeito do ponto de vista da diversidade da fé. Nesses matrimónios, pode existir o perigo do relativismo ou da indiferença, mas pode haver também a possibilidade de favorecer o espírito ecuménico ou o diálogo inter-religioso, numa harmoniosa convivência de comunidade que vive no mesmo lugar. Em muitos contextos, e não somente no Ocidente, vai-se difundindo amplamente a práxis da convivência que precede o matrimónio, ou, ainda, de convivência não orientada para assumir a forma de um vínculo institucional. A isso se acrescente frequentemente uma legislação civil que compromete o matrimónio e a família. Por causa da secularização, em muitas partes do mundo, a referência a Deus é fortemente diminuta e a fé não é mais partilhada socialmente.
8. Muitas são as crianças que nascem fora do casamento, especialmente em alguns países, e muitas crescem com um só dos pais, ou num contexto familiar alargado ou reconstituído. O número de divórcios é crescente e, não raro, é o caso de escolhas determinadas unicamente por fatores de ordem económica. As crianças são frequentemente objeto de contendas entre os pais, e os filhos são as verdadeiras vítimas das dilacerações familiares. Os pais frequentemente estão ausentes, não só por questões económicas, em situações em que se percebe a necessidade de assumirem claramente a responsabilidade pelos filhos e pela família. A dignidade da mulher precisa ser defendida e promovida. De fato, hoje, em muitos contextos a mulher é objeto de discriminação e, ainda, o dom da maternidade é com frequência penalizado, e não apresentado como valor. Não são nem mesmo esquecidos os crescentes fenómenos de violência dos quais a mulher é a vítima, e por vezes até mesmo no seio da família, e a grave e difundida mutilação genital da mulher em algumas culturas. O desfrute sexual da infância constitui uma realidade das mais escandalosas e perversas da sociedade atual. Também as sociedades atingidas pela violência por causa da guerra, do terrorismo ou da presença da criminalidade organizada, assistem a situações familiares deterioradas, sobretudo nas grandes metrópoles; e nas suas periferias cresce o assim chamado fenómeno das crianças prostituídas. A migração também representa outro sinal dos tempos a ser enfrentada com toda a carga de consequências na vida familiar.

A relevância da vida afetiva
9. Diante desse quadro social delineado, encontram-se em muitas partes do mundo, nos particulares, uma necessidade maior de cuidar da própria pessoa, de conhecer-se interiormente, de viver melhor em sintonia com as próprias emoções e os próprios sentimentos, de buscar relações afetivas de qualidade; essa justa aspiração pode levar ao desejo de empenhar-se na construção de relações de doação e reciprocidades criativas, responsáveis e solidárias, tais como as familiares. O perigo do individualismo e o risco de viver de forma egoísta são grandes. O desafio para a Igreja é de ajudar os casais no amadurecimento da dimensão emocional e o desenvolvimento afetivo, mediante a promoção do diálogo, da virtude e da confiança no amor misericordioso de Deus. O pleno desenvolvimento exigido pelo matrimónio cristão pode ser um forte antídoto contra a tentação do individualismo egoísta.
10. No mundo de hoje, não faltam tendências culturais que parecem impor uma afetividade sem limites, de que se querem explorar todas as consequências, também aquelas mais complexas. De fato, a questão da fragilidade afetiva é de grande atualidade: uma afetividade narcisista, instável e mutável, que nem sempre ajuda os sujeitos a atingirem maior maturidade. É preocupante certa divulgação da pornografia e da comercialização do corpo, favorecida também pelo uso distorcido da internet e que denuncia a situação daquelas pessoas que são obrigadas a praticar a prostituição. Nesse contexto, os casais são por vezes inseguros, hesitantes, e têm de se esforçar para encontrar as maneiras de crescer. Muitos são aqueles que tendem a permanecer nos estados primários da vida emocional e sexual. A crise dos casais desestabiliza a família e pode levar até à separação, e os divórcios produzem sérias consequências sobre os adultos, os filhos e a sociedade, enfraquecendo o indivíduo e os laços sociais. Também a queda demográfica, causada por uma mentalidade contrária à natalidade e promovida por uma política mundial de saúde reprodutiva, não somente determina uma situação em que a sucessão das gerações não é mais assegurada, mas arrisca conduzir ao longo do tempo um empobrecimento econômico e a uma perda de esperança no futuro. O desenvolvimento das biotecnologias têm tido também um forte impacto na natalidade.

O desafio às pastorais
11. Nesse contexto, a Igreja sente necessidade de dizer uma palavra de verdade e de esperança. É preciso partir da convicção de que o homem vem de Deus e, por isso, uma reflexão capaz de propor as grandes perguntas, sobre o significado de ser homem, possa encontrar terreno fértil nas expectativas mais profundas da humanidade. Os grandes valores do matrimónio e da família cristã correspondem à busca que perpassa a existência humana ainda mesmo num tempo assinalado pelo individualismo e pelo hedonismo. É preciso acolher a pessoa na sua existência concreta, saber sustentar a busca, encorajar o desejo de Deus e a vontade de sentir-se plenamente parte da Igreja, também em quem experimentou o fracasso ou se encontra em situações de segregação. A mensagem cristã traz sempre em si a realidade e a dinâmica da misericórdia e da verdade, que convergem para Cristo.

II PARTE

 O olhar em Cristo: o Evangelho da família
 O olhar em Jesus e a pedagogia divina na história da salvação
12. Com a finalidade de “verificar o nosso passo no terreno dos desafios contemporâneos, a condição decisiva é a de manter fixo o olhar em Jesus Cristo, manter-se na contemplação e na adoração da sua face [...]. De fato, toda vez que voltamos à fonte da experiência cristã, abrem-se de imediato novos caminhos e possibilidades impensadas” (Papa Francisco, Discurso de 4 de outubro de 2014). Jesus olhou com amor e ternura as mulheres e os homens que encontrou, acompanhando os seus passos com verdade, paciência e misericórdia, ao anunciar-lhes as exigências do Reino de Deus.
13. Dado que a ordem da criação é determinada a orientar-se para Cristo, ocorre distinguir, sem separar, os diferentes graus mediante os quais Deus comunica à humanidade a graça da aliança. Em razão da pedagogia divina, cuja ordem da criação envolve o da redenção através de etapas sucessivas, é preciso compreender a novidade do sacramento nupcial cristão, em continuidade com o matrimónio natural das origens. É assim que se entende o modo de agir salvífico de Deus, seja na criação, seja na vida cristã. Na criação: pois tudo foi feito por meio de Cristo e em vista dele (cf. Cl 1,16), os cristãos “alegram-se por descobrir e prontos para respeitar aqueles germes do Verbo que se encontram aí escondidos; devem seguir atentamente a transformação profunda que se verifica no meio dos povos” (Ad Gentes,11). Na vida cristã: ao passo que no batismo o crente é inserido na Igreja mediante a Igreja doméstica, que é a sua família, ele empreende aquele “processo dinâmico que avança gradualmente com a progressiva integração dos dons de Deus” (FamiliarisConsortio, 11), mediante a conversão contínua ao amor, que salva do pecado e dá plenitude à vida.
14. O mesmo Jesus, referindo-se ao desígnio primeiro do casal humano, reafirma a união indissolúvel entre o homem e a mulher, embora dizendo que “pela dureza de vossos corações, Moisés permitiu-vos repudiar vossas mulheres, mas no princípio não foi assim” (Mt 19,8). A indissolubilidade do matrimónio (“Portanto, aquilo que Deus uniu o homem não separe” (Mt 19,6), não deve ser interpretada, antes de tudo como um “jugo” imposto aos homens mas, sim, como um “dom” feito às pessoas unidas em matrimónio. Desse modo, Jesus mostra como a condescendência divina acompanha sempre o caminho humano, cura e transforma com a sua graça o coração endurecido, orientando para o princípio, através do caminho da cruz. Dos Evangelhos emerge claramente o exemplo de Jesus, que é modelo para a Igreja. De fato, Jesus assumiu uma família, deu início aos sinais na festa nupcial de Caná, anunciou a mensagem referente ao significado do matrimónio como plenitude da revelação, que recupera o projeto original de Deus (cf. Mt 19,3). Mas, ao mesmo tempo, pôs em prática a doutrina ensinada, manifestando assim o verdadeiro significado da misericórdia. Isso aparece claramente nos encontros com a samaritana ( cf. Jo 4,1-30) e com a adúltera (cf. Jo 8,1-11), em que Jesus, numa atitude de amor para com a pessoa pecadora, leva ao arrependimento e à conversão (“vai e não peques mais”), condição para o perdão.

A família no desígnio salvífico de Deus
15. As palavras de vida eterna que Jesus deixou aos seus discípulos compreendiam o ensinamento sobre o matrimónio e a família. Tal ensinamento de Jesus nos permite distinguir em três etapas fundamentais o projeto de Deus sobre o matrimónio e a família. No início, há a família de origem, quando Deus criador instituiu o primeiro matrimónio entre Adão e Eva, como sólido fundamento da família. Deus não somente criou o ser humano macho e fêmea (cf. Gn 1,27), mas os abençoou a fim de que fossem fecundos e se multiplicassem (cf. Gn 1,28). Por isso, “o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne” (Gn 2,24). Essa união foi prejudicada pelo pecado e tornou-se a forma histórica do matrimónio do Povo de Deus, pelo que Moisés concedeu a possibilidade de dar um atestado de divórcio (cf. Dt 24,1ss). Tal forma era vigente no tempo de Jesus. Com seu advento e a reconciliação do mundo decaído, graças à redenção por Ele operada, terminou a era inaugurada com Moisés.
16. Jesus, que reconciliou consigo todas as coisas, deu ao matrimónio sua forma original (cf. Mc 10,1-12). A família e o matrimónio foram redimidos por Cristo (cf. Ef 5,21-32), foram restaurados à imagem da Santíssima Trindade, mistério do qual surge todo amor verdadeiro. A aliança esponsal, inaugurada na criação e revelada na história da salvação, recebe a plena revelação do seu significado em Cristo e na sua Igreja. Por Cristo, através da Igreja, o matrimónio e a família recebem a graça necessária para testemunhar o amor de Deus e viver a vida de comunhão. O Evangelho da família atravessa a história do mundo desde a criação do homem à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn 1,26-27) até o cumprimento do mistério da Aliança em Cristo, e no fim dos séculos, com as núpcias do Cordeiro (cf. Ap 19,9; João Paulo II, Catechesisull´amoreumano).

A família nos documentos da Igreja
17. “No decurso dos séculos, a Igreja não deixou faltar seu constante ensinamento sobre o matrimónio e a família. Uma das mais altas expressões desse Magistério foi proposta pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, na Constituição Pastoral GaudiumetSpes, que dedica um capítulo inteiro sobre a promoção da dignidade matrimonial e a família (cf. GaudiumetSpes, 47-52). Este definiu o matrimónio como comunidade de vida e de amor (cf. GaudiumetSpes, 48), pondo o amor no centro da família, e mostrou, ao mesmo tempo, a verdade desse amor perante as diversas formas de reducionismo presente na cultura contemporânea. O “verdadeiro amor entre homem e mulher” (GaudiumetSpes, 49) implica mútua doação de si, inclui e integra a dimensão sexual e a afetividade, correspondendo ao desígnio divino (cf. GaudiumetSpes, 48-49). Além disso, GaudiumetSpes, 48, sublinha o enraizamento dos esposos em Cristo: Cristo Senhor “Vem ao encontro dos esposos cristãos no sacramento do matrimónio” e com eles permanece. Na encarnação, ele assume o amor humano, purifica-o e leva-o à plenitude, e doa aos esposos, mediante o seu Espírito, a capacidade de vivê-lo, impregnando toda a sua vida de fé, de esperança e de caridade. Dessa forma, os esposos são como que consagrados e, mediante uma graça própria, edificam o Corpo de Cristo e constituem uma Igreja doméstica (cf. LumenGentium, 11), de modo que a Igreja, embora conservando plenamente o seu mistério, defende a família cristã, que o manifesta de modo genuíno” (InstrumentumLaboris, 4).
18. “Nos passos do Concílio Vaticano II, o Magistério pontifício aprofundou a doutrina sobre o matrimónio e sobre a família. De modo particular, Paulo VI, com a Encíclica sobre a encíclica Humanae Vitae, evidenciou a íntima ligação entre amor conjugal e geração da vida. São João Paulo II dedicou à família uma atenção particular através das suas catequeses sobre o amor humano, a Carta às Famílias (Gratissimam Sane) e, sobretudo, com a Exortação Apostólica FamiliarisConsortio. Nesses documentos, o Pontífice definiu a família como ‘caminho da Igreja’; deu uma visão de conjunto sobre a vocação ao amor do homem e da mulher; propôs as linhas fundamentais para a pastoral da família e para a presença da família na sociedade. De modo particular, ao tratar da caridade conjugal (cf. FamiliarisConsortio, 13), descreveu o modo em que os cônjuges, no seu mútuo amor, recebem o dom do Espírito de Cristo e vivem o seu chamado à santidade” (InstrumentumLaboris, 5).
19. “Bento XVI, na Encíclica Deus Caritas Est, voltou ao tema da verdade do amor entre homem e mulher, que acende-se totalmente, só à luz do amor de Cristo crucificado (cf. Deus Caritas Est, 2). Ele salienta, que: ‘O matrimónio baseado num amor exclusivo e definitivo torna-se o ícone do relacionamento entre Deus e seu povo e vice-versa: maneira de Deus amar torna-se a medida do amor humano’ (Deus Caritas Est, 11). Além disso, na Encíclica Caritas In Veritate, destaca a importância do amor como princípio da vida em sociedade (cf. Caritas In Veritate, 44), um lugar onde você aprende a experiência do bem comum” (InstrumentumLaboris, 6) .
20. “O Papa Francisco, na Encíclica LumenFidei, sobre a ligação entre a família e a fé, escreve: “O encontro com Cristo, o deixar-se guiar pelo seu amor, alarga o horizonte da existência, doa-lhe uma esperança sólida que não desilude. A fé não é um refúgio para as pessoas sem coragem, mas a dilatação da vida. Ela faz descobrir um grande chamado, a vocação para o amor, e assegura que esse amor é confiável, que vale a pena entregar-se a ele, porque o seu fundamento se encontra na fidelidade a Deus, que é mais forte do que toda a nossa fragilidade” (LumenFidei, 53)”. (Instrumentum Laboris,7).

A indissolubilidade do matrimónio e a alegria de viver junto
21. O dom recíproco, que constitui o matrimónio sacramental, está radicado na graça do batismo, que estabelece a aliança fundamental de toda pessoa com Cristo na Igreja. No recíproco acolhimento e com a graça de Cristo, os nubentes prometem-se dom total, fidelidade e abertura para a vida, eles reconhecem como elementos constitutivos do matrimónio os dons que Deus lhes oferece, tomando a sério o seu recíproco empenho, em seu nome e perante a Igreja. Ora, na fé, é possível assumir os bens do matrimónio como empenhos melhor sustentáveis, mediante a ajuda da graça do sacramento. Deus consagra o amor dos esposos e o confirma com a indissolubilidade, oferecendo-lhes ajuda para viver a fidelidade, a integração recíproca e a abertura à vida. Portanto, o olhar da Igreja volta-se para os esposos como ao coração da família inteira, que volta, também ela, o olhar para Jesus.
22. Nessa mesma perspetiva, fazendo nosso o ensinamento do Apóstolo, segundo o qual toda a criação foi pensada em Cristo e em vista dele (cf. Cl 1,16), o Concílio Vaticano II quis exprimir seu apreço ao matrimónio natural e aos elementos válidos presentes em outras religiões (cfNostraAetate, 2) e nas culturas, não obstante os limites e as insuficiências (cf Ad Gentes,11), poderia ser aplicada, por alguns aspetos, também à realidade matrimonial e familiar de tantas culturas e de pessoas não cristãs. Portanto, há elementos válidos também em algumas formas fora do matrimóniocristão−, e entretanto, fundados em relações estáveis e verdadeiras entre um homem e uma mulher −, e que, em todo caso, consideramos sejam a ele orientados. Com o olhar voltado para a sabedoria humana dos povos e das culturas, a Igreja reconhece também essa família como a célula básica e fecunda da convivência humana.

Verdade e beleza da família e misericórdia para com as famílias feridas e fragilizadas
23. Com íntima e profunda consolação, a Igreja contempla as famílias que permanecem fiéis aos ensinamentos do Evangelho, agradecendo-as e encorajando-as pelo testemunho que oferecem. De fato, graças a elas, a beleza do matrimónio indissolúvel e fiel permanece acreditável e fiel para sempre. Na família, “que se poderia chamar de Igreja doméstica” (LumenGentium, 11), amadurece a primeira experiência eclesial de comunhão entre as pessoas, na qual se reflete, pela graça, o mistério da Santa Trindade. “É aqui que se aprende o esforço e a alegria do trabalho, o amor fraterno, o perdão generoso, sempre renovado e, sobretudo, o culto divino através da oração e da oferta da própria vida” (Catecismo da Igreja Católica, 1657). A Santa Família de Nazaré é o modelo admirável, em cuja escola nos “compreendemos porque devemos ter uma disciplina espiritual, se quisermos seguir a doutrina do Evangelho e tornar-nos discípulos de Cristo” (Paulo VI, Discurso sobre Nazaré, 5 de janeiro 1964). O Evangelho da família alimenta também aquelas sementes que ainda esperam para amadurecer e deve cuidar daquelas árvores que se tornaram áridas e necessitam de cuidados.
24. A Igreja, como mestra segura e mãe solícita, embora reconheça que para os batizados não haja outro vínculo nupcial senão o do batismo, e que toda ruptura deste é contra a vontade de Deus, tem consciência da fragilidade de muitos de seus filhos que sentem dificuldade no caminho da fé. “Portanto, sem diminuir o valor do ideal evangélico, precisa acompanhar com misericórdia e paciência as possíveis etapas de crescimento das pessoas que se vão construindo dia por dia. [...] Um pequeno passo, em meio aos grandes limites humanos, pode ser mais agradável a Deus do que uma vida externamente correta que transcorre seus dias sem enfrentar maiores dificuldades. A todos deve chegar o consolo e o estímulo do amor salvífico de Deus, que age misteriosamente em cada pessoa, não obstante seus defeitos e suas quedas” (EvangeliiGaudium, 44).
25. Sobre uma aproximação pastoral das pessoas que contraíram matrimónio civil, e que são divorciados e casados pela segunda vez, ou que simplesmente convivem, compete à Igreja revelar-lhes a pedagogia divina da graça na sua vida e ajudá-las a chegar à plenitude no plano de Deus para elas. Seguindo o olhar de Cristo, cuja luz brilha em todo homem (cf. Jo,1,9; GaudiumetSpes, 22), a Igreja volta-se amorosamente para aqueles que participam de sua vida de modo incompleto, e reconhece que a graça de Deus age também em suas vidas, dando-lhes coragem para fazer o bem, para cuidar com amor um do outro e estar a serviço da comunidade na qual vivem e trabalham.
26. A Igreja olha com apreensão a desconfiança de tantos jovens para com o compromisso conjugal, sofre com a precipitação com que tantos fiéis decidem pôr fim ao vínculo conjugal, assumindo outros. Tais fiéis, que fazem parte da Igreja, precisam de uma atenção pastoral misericordiosa e encorajadora, que distinga adequadamente as situações. Os jovens batizados são encorajados a não hesitarem diante da riqueza que o sacramento do matrimónio oferece aos seus projetos de amor, fortes pela sustentação que lhes dá a graça de Cristo e pela possibilidade de participarem plenamente da vida da Igreja.
27. Nesse sentido, uma nova dimensão da atual pastoral familiar consiste em dar atenção à realidade dos matrimónios civis entre homem e mulher, aos matrimónios tradicionais e, feitas as devidas diferenças, também às convivências. Quando a união atinge uma estabilidade notável através de um vínculo público, tem uma conotação de afeto profundo, de responsabilidade em relação à prole, à capacidade de superar as provações pode ser vista então como uma ocasião de acompanhar um desenvolvimento para o sacramento do matrimónio. Mas com frequência, ao invés, a convivência se estabelece não em vista de um futuro matrimónio, sem intenção alguma de estabelecer uma relação institucional.
28. Conforme o olhar misericordioso de Jesus, a Igreja deve acompanhar com atenção e solicitude os seus filhos mais frágeis, marcados pelo amor ferido e desviado, dando-lhes novamente confiança e esperança, como a luz do farol de um porto ou de uma chama posta no meio das pessoas, a fim de iluminar aqueles que se desviaram da rota ou se encontram em meio à tempestade. Conscientes de que a misericórdia maior é dizer a verdade com amor, vamos para além da compaixão. O amor misericordioso, assim como atrai e une, também transforma e eleva. Convida à conversão. Do mesmo modo, entendemos a atitude do Senhor, que não condena a adúltera, mas lhe pede que não peque mais (cf. Jo 8,1-11).

III PARTE
 O confronto: perspetivas pastorais
 Anunciar o Evangelho da família hoje nos diferentes contextos
29. O diálogo do Sínodo considerou atentamente algumas instâncias pastorais mais urgentes a serem confiadas à concretização em cada Igreja local, na comunhão cum PetroetsubPetro. O anúncio do Evangelho da família constitui uma urgência para a Nova Evangelização. A Igreja é chamada a atuá-lo com ternura de mãe e clareza de mestra (cf. Ef 4,15), na fidelidade à kenosis misericordiosa de Cristo. A verdade se encarna na fragilidade humana não para condená-la, mas para salvá-la (cf. Jo 3,1-17).
30. Evangelizar é responsabilidade de todo o povo de Deus, cada qual segundo o próprio ministério e carisma. Sem o testemunho alegre dos cônjuges e das famílias, igrejas domésticas, o anúncio, ainda que correto, arrisca a ser incompreendido ou a afogar-se no mar de palavras que caracteriza a nossa sociedade (cf. Novo MilennioIneunte, 50). Os Padres sinodais sublinharam várias vezes que as famílias católicas, em força da graça do sacramento nupcial, são chamadas a ser, elas mesmas, sujeitos ativos da Pastoral Familiar.
31. Será decisivo ressaltar o primado da graça, e, portanto, a possibilidade de que o Espírito Santo a conceda no sacramento. Trata-se de fazer a experiência de que o Evangelho da família é alegria que “enche o coração e a vida inteira”, porque em Cristo “somos libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior e do isolamento” (Evangelii Gaudium,1). À luz da parábola do semeador (cf. Mt 13,3), é nossa tarefa cooperar na semeadura: o restante é obra de Deus. Não é preciso nem mesmo esquecer que a Igreja que prega sobre a família é sinal de contradição.
32. É por isso que se requer de toda a Igreja uma conversão missionária: é preciso não se manter num anúncio meramente teórico e desligado dos problemas reais das pessoas. Jamais se esqueça de que a crise de fé é que trouxe a crise do matrimónio e da família; e, como consequência, interrompeu-se com frequência a transmissão da mesma fé dos pais para os filhos. Perante uma fé forte, a imposição de algumas perspetivas culturais que enfraquecem a família e o matrimónio não encontra espaço.
33. A conversão deve estender-se também à linguagem, para que seja de fato significativa. O anúncio deve fazer experimentar que o Evangelho da família é resposta às atitudes mais profundas da pessoa humana: à sua dignidade e à plena realização na reciprocidade, na comunhão e na fecundidade. Não se trata apenas de apresentar uma norma, mas de propor valores, respondendo à necessidade de que isso aconteça também nos países mais secularizados.
34. A Palavra de Deus é fonte de vida e espiritualidade para a família. Toda a pastoral familiar deverá se deixar modelar interiormente e formar membros da Igreja doméstica, mediante a leitura orante e eclesial da Sagrada Escritura. A Palavra de Deus não é somente uma boa notícia para a vida particular da pessoa, mas também um critério de julgamento e uma luz para discernir nos vários desafios que enfrentam os cônjuges e as famílias enfrentam.
35. Ao mesmo tempo, muitos Padres sinodais insistiram num aspeto mais positivo das riquezas das várias experiências religiosas, sem calar sobre suas dificuldades. Nessas diversas realidades religiosas e na grande diversidade cultural que caracteriza as nações, é oportuno apreciar primeiro as possibilidades positivas e, à luz destas, avaliar seus limites e carências.
36. O matrimónio cristão é uma vocação que se recebe com uma adequada preparação num itinerário de fé, com discernimento maduro, e não deve ser considerado apenas como uma tradição cultural ou uma exigência social ou jurídica. Portanto, é preciso realizar percursos que acompanhem a pessoa e o casal, de modo que à comunicação dos conteúdos da fé se acrescente a experiência de vida de toda a comunidade eclesial.
37. Foi repetidamente lembrada a necessidade de uma renovação radical da práxis pastoral à luz do Evangelho da família, que supere a ótica individualista que ainda a caracteriza. Por isso se tem insistido sobre a renovação da formação dos presbíteros, dos diáconos, dos catequistas e de outros agentes de pastoral, mediante um maior envolvimento das próprias famílias.
38. Ao mesmo tempo, encareceu-se a necessidade de uma evangelização que denuncie com franqueza os condicionamentos culturais, sociais, políticos e econômicos, como o excessivo espaço dado à lógica do mercado, o qual impede uma verdadeira vida familiar,= e que determina discriminação, pobreza, exclusões e violência. Por isso, desenvolvam-se um diálogo e uma cooperação com as estruturas sociais e encorajem-se e sustentem-se os leigos que se empenham, como cristãos, em âmbito cultural e sociopolítico.

Guiar os nubentes no caminho de preparação ao matrimónio
39. A complexa realidade social e os desafios que a família de hoje deve enfrentar requerem um empenho maior de toda a comunidade cristã, em preparação dos nubentes ao matrimónio. É preciso lembrar a importância das virtudes. Entre elas, a castidade, como condição preciosa para o genuíno crescimento do amor interpessoal. Relativamente a essa necessidade, os Padres sinodais concordam em sublinhar a exigência de um maior envolvimento de toda a comunidade, privilegiando o testemunho das próprias famílias, além de uma radical preparação ao matrimónio no caminho de iniciação cristã, sublinhando o nexo do matrimónio com o batismo e os outros sacramentos. Evidenciou-se ao mesmo tempo a necessidade de programas específicos para a preparação próxima ao matrimónio, que sejam uma verdadeira experiência de participação na vida eclesial e que aprofundem os vários aspetos da vida familiar.

Acompanhar os primeiros anos da vida matrimonial
40. Os primeiros anos de matrimónio constituem um período vital e delicado, durante os quais os casais crescem na consciência dos desafios e do significado do matrimónio. Daqui emerge a exigência de um acompanhamento pastoral que continue após a celebração do sacramento (cf.FamiliarisConsortio, parte III). Resulta, de grande importância para essa pastoral, a presença de casais de esposos com experiência. A paróquia é considerada como o lugar onde os casais experientes possam ser colocados à disposição dos mais jovens, com o eventual concurso de associações, movimentos eclesiais e novas comunidades. É preciso encorajar os esposos para uma atitude fundamental de acolhimento do grande dom dos filhos. Destaca-se a importância da espiritualidade familiar, da oração e da participação na Eucaristia dominical, encorajando os casais a reunirem-se com regularidade para promover o crescimento da vida espiritual e a solidariedade nas exigências concretas da vida. Liturgia, práticas devocionais e Eucaristia, celebradas pelas famílias, sobretudo no aniversário de casamento, são mencionadas como vitais para favorecer a evangelização através da família.

Cuidados pastorais para com aqueles que vivem o matrimónio civil ou em convivência
 41. Enquanto continua a anunciar e promover o matrimónio cristão, o Sínodo encoraja também o discernimento pastoral das situações de tantos que não vivem mais essa realidade. É importante entrar em diálogo pastoral com tais pessoas, a fim de evidenciar os elementos de sua vida que possam conduzir a uma maior abertura para o Evangelho do matrimónio, na sua plenitude. Os pastores devem favorecer a evangelização e o crescimento humano e espiritual. Uma nova sensibilidade da pastoral moderna consiste em colher os elementos positivos presentes nos matrimónios civis e, respeitadas as devidas diferenças, nas convivências. Acontece que na proposta eclesial, embora afirmando com clareza a mensagem cristã, indicamos também elementos construtivos nessas situações que não correspondem ainda ou que não mais correspondem.
42. Notou-se também, em muitos países, um “crescente número de casais que convivem ad experimentum, sem qualquer matrimónio, nem canônico, nem civil” (InstrumentumLaboris, 81). Em alguns países, isso acontece sobretudo no matrimónio tradicional, acertado entre a família e, frequentemente, celebrado em várias etapas. Em outros países, ao contrário, cresce continuamente o número daqueles que, após terem vivido juntos por longo tempo, pedem a celebração do matrimónio na igreja. A simples convivência é, frequentemente, aceita por causa da mentalidade geral contrária às instituições e aos empenhos definitivos, mas também pela espera de uma segurança existencial (trabalho e salário fixo). Em outros países, ao invés, as uniões são de fato muito numerosas, não somente pela rejeição dos valores da família e do matrimónio, mas sobretudo pelo fato de que o se desposar é percebido como um luxo, por causa das condições sociais, de modo que a miséria material impele a viver uniões de fato.
43. Todas essas situações são enfrentadas de modo construtivo, procurando transformá-las em oportunidade de caminho para a plenitude do matrimónio e da família, à luz do Evangelho. Trata-se de acolhê-las e acompanhá-las com paciência e delicadeza. A esse respeito é importante o testemunho atraente de autênticas famílias cristãs, como sujeitos da evangelização da família.

Curar as famílias feridas (separados, divorciados não casados novamente, famílias monoparentais)
44. Quando os esposos vivem problemas nas suas relações, devem contar com a ajuda e o acompanhamento da Igreja. A pastoral da caridade e da misericórdia tende a recuperar as pessoas e as relações. A experiência mostra que, com uma adequada ajuda e com a ação de reconciliação da graça, um grande percentual de crises matrimoniais se supera de maneira satisfatória. Saber perdoar e sentir-se perdoado é uma experiência fundamental na vida familiar. O perdão entre os esposos permite experimentar um amor que dura para sempre e que não passa jamais (cf. 1Cor 13,8). Às vezes é difícil, mas quem recebeu o perdão de Deus tem a força para dar o autêntico perdão que regenera a pessoa.
45. No Sínodo ressoou uma clara necessidade de decisões pastorais corajosas. Reconfirmando com força a fidelidade ao Evangelho da família e reconhecendo que a separação e o divórcio são sempre uma ferida que causa profundo sofrimento para os cônjuges e filhos, os Padres sinodais sentiram a urgência de novos caminhos pastorais, a partir da realidade real da fragilidade familiar, sabendo que essa, com frequência, é “mais percebida” como sofrimento do que escolhida com plena liberdade. Trata-se de situações diferentes, seja por fatores pessoais, culturais ou socioeconômicos. É preciso um olhar diferenciado, como são João Paulo II sugeria (cf. FamiliarisConsortio, 84).
46. Cada família seja, primeiro de tudo, ouvida com respeito e amor, fazendo-se companheiro de caminhada, como Cristo com os discípulos na estrada de Emaús. Valham de modo particular, em tal situação, as palavras do Papa Francisco: “A Igreja deverá iniciar os seus membros – sacerdotes, religiosos e leigos – nesta ‘arte de acompanhamento’, a fim de que todos aprendam sempre a tirar as sandálias perante a terra santa do outro (cf. Ex 3,5). Devemos dar ao nosso caminho o ritmo salutar da proximidade, com um olhar respeitoso e pleno de compaixão, mas que, ao mesmo tempo, seja sadio, livre e encorajador, para amadurecer na vida cristã” (EvangeliiGaudium, 169).
47. É indispensável um discernimento particular para acompanhar pastoralmente os separados, os divorciados, os abandonados. Acolha-se e valorize-se, sobretudo, o sofrimento daqueles que são constrangidos pelos maus-tratos do cônjuge, a romper a convivência. O perdão pela injustiça sofrida não é fácil, mas é um caminho que a graça torna possível. Surge daqui a necessidade de uma pastoral da reconciliação, através também de centros de acolhida especializada, a ser implantada nas dioceses. Ao mesmo tempo, tenha-se em conta que é sempre necessário considerar, de modo leal e construtivo, as consequências para os filhos, da separação ou do divórcio, as quais são sempre vítimas inocentes da situação. Eles não podem ser um “objeto” de contendas e devem ser considerados na forma melhor, a fim de que possam superar o trauma da cisão familiar e crescer, o mais possível, de maneira serena. Em todo caso, a Igreja deve sempre ter em conta a injustiça que, frequentemente, causa a situação do divórcio. Especial atenção seja dada ao acompanhamento das famílias monoparentais, de modo particular sejam ajudadas as mulheres que devem levar sozinhas a responsabilidade da casa e da educação dos filhos.
48. Um grande número de Padres sublinharam a necessidade de tornar mais acessível e ágil e, possivelmente gratuito, os procedimentos para reconhecimento dos casos de nulidade. Entre as propostas, foram indicadas: a superação da necessidade da apresentação da dupla sentença concorde; a possibilidade de determinar, por via administrativa, sob responsabilidade do bispo diocesano; um processo sumário a ser enviado nos casos de nulidade notória. Todavia, alguns Padres se dizem contrários a essa proposta, porque não garantiriam um juízo confiável. Contesta-se que, em todos esses casos, trata-se de um acerto entre a verdade da validade do vínculo. De acordo com outras propostas devem, então, ser dada a oportunidade de dar importância ao papel da fé dos nubentes, em ordem à validade do sacramento do matrimónio, entre os batizados, mantendo que todos os casamentos são sacramento válido.
49. Acerca das causas matrimoniais, a atenuação do procedimento exigido por muitos, além da preparação de agentes suficientes, clérigos e leigos com dedicação particular, exige que se tenha em conta a responsabilidade do bispo diocesano, o qual poderia, na sua diocese, encarregar consulentes devidamente preparados que possam gratuitamente conciliar as partes sobre a validade do seu matrimónio. Tal função pode ser realizada por um oficial ou pessoas qualificadas (cf. DignitasConnubii, art. 113,1).
50. As pessoas divorciadas, mas não casadas em segundas núpcias, que frequentemente são testemunhas da fidelidade matrimonial, podem ser encorajadas a encontrar na Eucaristia o alimento que as sustenta no seu estado. A comunidade local e os pastores devem acompanhar tais pessoas com solicitude, sobretudo quando há filhos ou é grave a situação dessas pessoas, por causa da pobreza.
51. Também a situação dos divorciados, casados pela segunda vez, exige um atento discernimento e um acompanhamento de grande respeito, evitando-se toda linguagem e atitude que os façam se sentirem discriminados e se promova a sua participação na vida da comunidade. Ter cuidado com eles não é, para a comunidade cristã, um enfraquecimento da sua fé e do seu testemunho sobre a indissolubilidade do matrimónio; antes, esse cuidado exprime exatamente a sua caridade.
52. Refletiu-se sobre a possibilidade de que os divorciados e casados em segundas núpcias tenham acesso aos sacramentos da Penitência e da Eucaristia. Diversos Padres sinodais insistiram em favor da disciplina atual, em virtude da relação entre a participação da Eucaristia e a comunhão com a Igreja e o seu ensinamento sobre o matrimónio indissolúvel. Outros se expressaram por um acolhimento não generalizado à mesa eucarística, em algumas situações particulares em condições bem precisas, sobretudo quando se trata de casos irreversíveis e ligados a obrigações morais para com os filhos, que viriam a sofrer injustamente. O eventual acesso aos sacramentos deveria ser precedido por um caminho penitencial, sob a responsabilidade do bispo diocesano. Aprofundou-se ainda a questão, tendo bem presente a distinção entre situações objetivas de pecado e circunstâncias atenuantes, dado que “a imputabilidade e a responsabilidade de uma ação podem ser diminuídas ou anuladas” [...] “por diversos fatores psíquicos ou mesmo sociais” (Catecismo da Igreja Católica, 1735).
53. Alguns Padres afirmaram que as pessoas divorciadas e novamente casadas, ou que convivem, podem recorrer com fruto à comunhão espiritual. Outros Padres perguntaram por que então não podem ter acesso à comunhão sacramental. Foi, portanto, solicitado um aprofundamento da temática para fazer emergir a peculiaridade das duas formas e a respetiva conexão com a teologia do matrimónio.
54. As problemáticas relativas aos matrimónios mistos voltaram frequentemente nas intervenções dos Padres sinodais. A diversidade da disciplina matrimonial da Igreja ortodoxa coloca, em alguns contextos, problemas sobre os quais é preciso refletir em âmbito ecumênico. Analogamente, para os matrimónios inter-religiosos será importante o contributo do diálogo com as religiões.

A atenção pastoral para com as pessoas de orientação homossexual
55. Algumas famílias vivem a experiência de ter no seu interior pessoas com orientação homossexual. A esse respeito, interrogamo-nos sobre qual atenção pastoral seja oportuna perante tal situação, em referência a quanto ensina a Igreja: “Não existe fundamento algum para assimilar ou estabelecer analogias, nem mesmo remotas, entre as uniões homossexuais e o desígnio de Deus sobre o matrimónio e a família”. Apesar disso, os homens e as mulheres com tendências homossexuais devem ser acolhidos com respeito e delicadeza. “A respeito deles, evitar-se-á toda atitude de discriminação injusta” (Congregação para a Doutrina da Fé, Considerações sobre os projetos de reconhecimento legal das uniões entre pessoas homossexuais, 4).
56. É de todo inaceitável que os Pastores da Igreja sofram pressões nesta matéria e que os organismos internacionais condicionem as ajudas financeiras aos países pobres para a introdução de leis que instituam o “matrimónio” entre pessoas do mesmo sexo.

A transmissão da vida e o desafio da nãonatalidade
57. Não é difícil constatar que se difunde uma mentalidade que reduz a geração da vida a uma variável da projeção individual ou de casal. Os fatores de ordem econômica determinam um peso por vezes determinante, contribuindo para uma forte queda na natalidade, o que debilita o tecido social e compromete a relação sobre as gerações e torna mais incerto o olhar sobre o futuro. A abertura para a vida é exigência intrínseca do amor conjugal. Nessa luz, a Igreja apoia as famílias que acolhem, educam e circundam com seu afeto os filhos com diferentes dons.
58. Também aqui ocorre a necessidade da escuta às pessoas e dar a razão da beleza e da verdade de uma abertura incondicional à vida, como aquilo de que o amor humano necessita para ser vivido em plenitude. É sobre essa base que se pode apoiar um ensinamento adequado sobre os métodos naturais para a procriação responsável. Esta ajuda a viver de maneira harmoniosa e responsável a comunhão entre os cônjuges, em todas as suas dimensões, juntamente com a responsabilidade de gerar. E redescobre-se a mensagem da encíclica Humanae Vitae, de Paulo VI, que sublinha a necessidade de respeitar a dignidade da pessoa na avaliação moral dos métodos de regulação da natalidade. A adoção de crianças órfãs e abandonadas, acolhidas como filhos próprios, é uma forma específica de apostolado familiar (cf. ApostolicamActuositatem, III,11), mais vezes reclamada e encorajada pelo magistério (cf. FamiliarisConsortio, III,II).
A escolha da adoção e da entrega exprime uma fecundidade particular da experiência conjugal, não somente quando esta é marcada pela esterilidade. Tal escolha é sinal eloquente do amor familiar, ocasião para testemunhar a própria fé e restituir a dignidade filial a quem dela foi privado.
59. É preciso ajudar a viver a afetividade também no vínculo conjugal, como um caminho de amadurecimento, no acolhimento sempre mais profundo do outro e na doação sempre mais plena. Deve-se insistir, nesse sentido, sobre a necessidade de oferecer caminhos de formação que alimentem a vida conjugal e a importância de um laicado que ofereça um acompanhamento feito de testemunhas vivas. É de grande ajuda o exemplo de um amor fiel e profundo, feito de ternura, de respeito, capaz de crescer ao longo do tempo e que, no seu completo abrir-se à geração da vida, faz a experiência de um mistério que nos transcende.

O desafio da educação e o papel da família na evangelização
60. Um dos desafios fundamentais em que se encontra a família hoje é seguramente a da educação, tornada mais exigente e complexa pela atual realidade cultural e pela grande influência da comunicação social. Tem-se na devida conta as exigências e atitudes de famílias capazes de ser, na vida cotidiana, lugar de crescimento, de transmissão concreta e essencial das virtudes que dão forma à existência. Isso indica que os pais podem escolher livremente o tipo de educação a dar aos filhos, de acordo com suas convicções.
61. A Igreja tem um papel precioso de sustento às famílias, a partir da iniciação cristã, através da comunidade acolhedora. A esta se pede hoje, mais ainda do que ontem, tanto nas situações complexas como naquelas ordinárias, de apoiar os pais no seu empenho de educar, acompanhando as crianças, adolescentes e jovens, no seu crescimento, através de caminhos personalizados capazes de introduzir ao sentido pleno da vida e de suscitar escolhas e responsabilidades, vividas à luz do Evangelho. Maria, pela sua ternura, misericórdia, sensibilidade materna pode nutrir a fome de humanidade e vida, por quem for invocada das famílias e do povo cristão. A pastoral e uma devoção mariana são um ponto de pertença oportuno para anunciar o Evangelho da família.

Conclusão
62. As reflexões propostas, fruto do trabalho sinodal, realizado em grande liberdade e num estilo de escuta recíproca, querem colocar questões e indicar perspetivas que deverão ser amadurecidas e precisadas pelas reflexões das igrejas locais durante o ano que nos separa da Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos prevista para o mês de outubro de 2015, dedicada à vocação e à missão da família na igreja e no mundo contemporâneo. Não se trata de decisões tomadas, nem de perspetivas fáceis. Entretanto o caminho colegial dos bispos e o compromisso de todo o povo de Deus sob a ação do Espírito Santo, olhando para o modelo da santa família, poderão guiar-nos a encontrar vias de verdade e de misericórdia para todos. São os auspícios que desde o início de nossos trabalhos o Papa Francisco nos manifestou convidando-nos à coragem da fé e à acolhida humilde e honesta da verdade na caridade.

Votações de cada número da “Relatio Synodi”

Votações de cada número da “Relatio Synodi”
Total dos presentes: 183
(Não são indicadas as abstenções.)
Placet (sim)Non placet (não)Placet (sim)Non placet (não)
N.°  N.°
1.175132.1765
2.179033.1757
3.178134.1801
4.180235.16417
5.177336.1771
6.175537.1752
7.170938.1781
8.179139.1764
9.171840.1791
10.174841.12554
11.173642.14337
12.176343.16214
13.174744.1717
14.1641845.16515
15.1671346.1718
16.171847.16412
17.174648.14335
18.175549.15423
19.176550.1698
20.178351.15519
21.181152.10474
22.1602253.11264
23.1691054.14529
24.1701155.11862
25.1403956.15921
26.1661457.1695
27.1473458.1679
28.1522759.1725
29.176760.1744
30.178261.1781
31.175462.1698
[03047-01.01]
[B0770-XX.01]


Nenhum comentário:

Postar um comentário