sábado, 21 de fevereiro de 2015

”O problema dos padres casados está na minha agenda.” A última abertura do Papa Francisco


A reportagem é do jornal La Repubblica, 19-02-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.
leia mais:


Na celebração, estavam presentes sete padres que festejavam o seu 50º aniversário de sacerdócio, mas também cinco sacerdotes que abandonaram o ministério, porque se casaram.
À pergunta de um dos padres presentes, Giovanni Cereti, sobre a questão dos padres casados (na qual se lembrava o caso das Igrejas orientais, em que os homens casados podem ser ordenados sacerdotes, e dos milhares de padres casados de rito latino que, ao contrário, não podem celebrar), Bergoglio respondeu de surpresa: “O problema está presente na minha agenda”.
Trata-se de uma nova abertura do pontífice, que segue as aberturas que surgiram durante os trabalhos do Sínodo Extraordináriosobre a família, tais como as sobre os gays e sobre a eucaristia aos divorciados em segunda união.
Foto Oficial MFPC - XX 2015
XX Encontro Nacional das Famílias dos Padres casados do Brasil (MFPC) em Florianópolis, em janeiro de 2015. Estima-se que haja cerca de 7.000 padres casados no Brasil
Segundo notícias publicadas no Brasil, alguns meses atrás, o papa teria escrito ao cardeal brasileiro Claudio Hummes uma carta sobre a possibilidade de iniciar uma reflexão sobre o celibato eclesiástico, relativa aos chamados “viri probati”, ou seja, homens de idade não jovem, casados, que levam uma vida familiar e religiosa exemplar, e aos quais alguns consideram que poderiam ser confiadas tarefas na Igreja como sacerdotes.
A notícia da carta de Francisco, no entanto, foi redimensionada pelo porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi, para o qual“não há nenhuma carta do papa ao cardeal Hummes sobre a matéria indicada”. Mas, acrescentou, o jesuíta, é verdade que o papa convidou, em mais de uma ocasião, os bispos brasileiros a buscarem e proporem com coragem soluções pastorais que eles considerem como adequadas para enfrentar os grandes problemas pastorais do seu país”.
Aos sacerdotes romanos reunidos na Sala Paulo VIBergoglio pediu que “recuperem o fascínio da beleza”, isto é, “aquele estupor que te atrai e te mantém em contemplação, gerado pelo encontro com Deus”, e dedicou uma longa passagem às homilias, àquela“ars celebrandi” que, para os sacerdotes, é “um verdadeiro desafio”.
Justamente aos sacerdotes, o papa dedicou um novo tuíte: “Onde existem homens e mulheres que consagraram a Deus a sua vida, há alegria”.
“Não sejam showmen”, disse Francisco ao clero presente no encontro, depois de ter se referido à divisão entre aqueles sacerdotes que pregam espontaneamente e aqueles que o fazem em uma atmosfera artificial, distante daquele autêntico “estupor” que deve derivar da oração e do encontro divino.
Francisco insistiu sobre o “estupor”, mas também sobre outros aspectos, como “entrar e fazer entrar no mistério”“Se sou excessivamente rubricista e rígido, então – explicou – toda a força está nessa forma Se sou o protagonista, nem sequer faço entrar no mistério”. Ao contrário, com a sua atitude, o sacerdote“deve fazer com que o Senhor provoque”.
Quem pediu ao pontífice uma “reflexão sobre um tema muito importante para os sacerdotes, que pregam bem, mas que sempre podem melhorar”, foi o cardeal Agostino Vallini, vigário do papa para a diocese de Roma, que definiu a escuta do papa como um “banho salutar e uma luz no caminho sacerdotal”.
Na introdução, o papa contou também uma simpática anedota: em 2005, quando interveio sobre o tema das homilias em uma “plenária” da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, o cardeal Jorge Mario Bergoglio recebe duas críticas de colegas ilustres, ambos alemães: o cardeal Meisner (que era o arcebispo de Colônia) e o então cardeal Joseph Ratzinger, que o repreendeu porque, no seu discurso, faltava o “sentir-se diante de Deus”. “Ele tinha razão. Eu não falei disso“, revelou o Papa Francisco.

 FONTE:http://www.padrescasados.org/archives/32495/o-problema-dos-padres-casados-esta-na-minha-agenda-a-ultima-abertura-do-papa-francisco/


Nenhum comentário:

Postar um comentário