segunda-feira, 23 de março de 2015

PAPA FRANCISCO:

onde não há misericórdia não há justiça
Papa voltou a abordar o tema da misericórdia durante a missa da manhã desta segunda-feira na Casa Santa Marta - OSS_ROM


23/03/2015 10:45

Cidade do Vaticano (RV) - Onde não há misericórdia não há justiça e muitas vezes hoje o povo de Deus sofre um julgamento sem misericórdia: foi o que disse o Papa Francisco durante a Santa Missa na manhã desta segunda-feira, na Casa Santa Marta.

Comentando as leituras do dia e referindo-se também a outra passagem do Evangelho, o Papa Francisco fala de três mulheres e de três juízes: uma mulher inocente, Susana, uma pecadora, a adúltera, e uma pobre viúva necessitada: “Todas as três, de acordo com alguns Padres da Igreja, são figuras alegóricas da Igreja: a Santa Igreja, a Igreja pecadora e a Igreja necessitada”. “Os três juízes são ruins” e “corruptos”, observa o Papa: há o julgamento dos escribas e dos fariseus que levam a mulher adúltera a Jesus. “Eles tinham dentro do coração a corrupção da rigidez”. Sentiam-se puros, porque observavam “rigorosamente a lei”. “A lei diz isso e se deve fazer isso”:
Dualidade
“Mas esses não eram santos, eram corruptos, corruptos, porque a rigidez do gênero só pode avançar em uma vida dupla, e esses que condenavam essas mulheres, depois, iam procurá-las, em segredo, para se divertir um pouco’. Os rígidos são – uso o adjetivo que Jesus lhes deu - hipócritas: eles têm vida dupla. Aqueles que julgam, pensamos na Igreja - todas as três mulheres são figuras alegóricas da Igreja - aqueles que julgam com rigidez a Igreja têm vida dupla. Com a rigidez, nem mesmo se pode respirar”.
Depois, há os dois juízes idosos que chantageiam uma mulher, Susanna, para que se conceda, mas ela resiste: “Eram juízes viciosos - sublinha o Papa - tinham a corrupção do vício, neste caso, a luxúria. Diz-se que quando se há esse vício da luxúria com os anos se torna mais feroz, mais ruim. “Enfim, há o juiz interpelado pela pobre viúva. Este juiz “não temia a Deus e não se preocupava com ninguém: não lhe importava nada, apenas se importava consigo mesmo”: Era “um homem de negócios, um juiz que com o seu trabalho de julgar fazia negócios”. Era “um corrupto de dinheiro, de prestígio”. Esses juízes - observou o Papa -, o empresário, o vicioso e o rígido, “não conheciam uma palavra, eles não conheciam o que fosse a misericórdia”:
Contra-senso
“A corrupção os distanciava da compreensão da misericórdia, de serem misericordiosos. E a Bíblia nos fala que na misericórdia se encontra o justo do juízo. E as três mulheres – a santa, a pecadora e a necessitada, figuras alegóricas da Igreja  - padecem desta falta de misericórdia. Hoje também o povo de Deus quando encontra estes juízes, é julgado sem misericórdia, seja no civil, seja no eclesiástico. E onde não há misericórdia não há justiça. Quando o povo de Deus se aproxima voluntariamente para pedir perdão, para ser julgado, quantas vezes, encontra um destes”.
 Encontra os viciados, que “são capazes de tentar abusá-los”, e este “é um dos pecados mais graves”: encontra “os mercadores”, que “não dão oxigênio àquela alma, não dão esperança”; e encontra “os rígidos que punem nos penitentes aquilo que escondem na própria alma”. “Isso – diz o Papa – se chama falta de misericórdia”:
 “Queria somente dizer uma das palavras mais bonitas do Evangelho que me comove tanto: ‘Ninguém te condenou?’ – ‘Não, ninguém, Senhor’ – ‘Tampouco eu te condeno’. Tampouco eu te condeno: uma das palavras mais bonitas porque está cheia de misericórdia”. (SP/RB)
fonte: RADIO VATICANO

Nenhum comentário:

Postar um comentário