sábado, 30 de maio de 2015

PENSAMENTO DO DIA:


PAPA FRANCISCO:

“O verdadeiro amor não pode se isolar. Se é isolado, não é amor”
Papa meditou sobre o verdadeiro amor na homilia desta quinta-feira - OSS_ROM

07/05/2015 12:45

Metrópoles e Multidão: das políticas públicas às políticas do comum. Entrevista especial com Alexandre Mendes

“A metrópole venceu: ela implodiu-explodiu todos os muros disciplinares que pretenderiam governar o espaço e irrompeu como um fenômeno global”, afirma o pesquisador.
Foto: Blog adcidade
Compreender o espaço urbano à luz dos conceitos “metrópole”, “neoliberalismo” e “biopolítica” é fundamental para perceber como este se constitui enquanto um “território das lutas e da produção de uma nova subjetividade, aquela correlata às modificações da relação entre produção e espaço”, pontua Alexandre Mendes em entrevista concedida à IHU On-Line por e-mail.

EUA acordam para Nova Ordem Mundial

Não é possível reduzir a Rússia a cinzas. Não podem vencer na Nova Ordem Mundial (da Seda). Poderiam, isso sim, sentar e conversar
O Governo Obama, …,  parece finalmente compreender que a estratégia de isolamento da Rússia está esgotada – e que Moscou simplesmente não vai ceder em dois pontos primordiais: a Ucrânia não vai entrar na OTAN e não há possibilidade de as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk serem esmagadas, seja por Kiev, pela OTAN ou por quem quer que seja.
Por Pepe Escobar, no Information Clearing House – SÁBADO, 23 DE MAIO DE 2015
 Os verdadeiros Mestres do Universo nos EUA não podem prever o tempo, mas sem dúvida começam a sentir para que lado o vento está soprando.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

PENSAMENTO DO DIA:


O segredo da simbólica da Ascensão é o Pentecostes, uma Igreja de saída que o Papa Francisco veio acordar.
 – 17/05/2015
“Como já disse nestas crónicas, a defesa da tradição cristã não se faz com os métodos das indústrias de conserva. É vitalizada no confronto e no diálogo com os desafios de cada época, na diversidade dos povos, a partir dos guetos sociais e culturais criados pelos interesses financeiros e económicos da nova desordem do mundo.”
  
 1. Quem se sentir desafiado por Jesus Cristo não deve ignorar que, para além da sua experiência vital e do conhecimento afectivo, tem de recorrer também aos estudos que ajudam a ler os escritos do Novo Testamento (NT) e os ziguezagues da sua influência, ao longo dos séculos. A não ser que se aposte na preguiça piedosa: quanta mais ignorância, mais devoção.
 

Pepe Escobar: BRICS sapateiam sobre os EUA na América do Sul

BRICS sapateiam sobre os EUA na América do Sul. 22235.jpeg
 “Incontáveis missões comerciais chinesas abordaram essas praias, sem descanso, mais ou menos como os EUA fizeram entre a Iª e a IIª Guerra Mundial. Numa reunião crucialmente importante em janeiro, com empresários latino-americanos, o presidente Xi Jinping prometeu encaminhar US$ 250 bilhões para projetos de infraestrutura, nos próximos dez anos.”

22/5/2015, [*] Pepe EscobarRussia Today – RT – Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu



"Também muitos fiéis querem as uniões civis gays. É preciso que a Igreja aceite este desafio", afirma cardeal Kasper

"Um estado democrático deve respeitar a vontade popular. Isto me parece claro. Se a maioria do povo quer estas uniões civis é um dever do Estado reconhecer tais direitos. Mas não podemos esquecer que também uma legislação semelhante, ainda que distinguindo entre o matrimônio e as uniões homossexuais, reconheça a tais uniões mais ou menos os mesmos direitos das famílias formadas por um homem e uma mulher. Isto tem um impacto enorme sobre a consciência moral das pessoas. Cria uma certa normatividade. E para a Igreja torna-se ainda mais difícil explicar a diferença".
O cardeal Walter Kasper, grande teólogo a quem o papa Francisco confiou a conferência introdutória do Sínodo no ano passado, e ponto de referência do lado mais reformista, suspira longamente: "Não será fácil".

quinta-feira, 28 de maio de 2015

PAPA FRANCISCO:

Cristãos mundanos e rigorosos afastam as pessoas de Jesus.

Detalhe do Papa durante a homilia desta quinta-feira - OSS_ROM

28/05/2015 11:07

PENSAMENTO DO DIA:


ECOLOGIA E RELIGIÃO

 “Foi com o paradigma moderno, reclamando para a subjetividade e a tecnociência a omnipotência divina de dominação universal, que a natureza deixou de ser mãe acolhedora para tornar-se puro reservatório de energias a explorar sem limites. Tomamos cada vez mais consciência da urgência da mudança. Segundo Boff, há pontos fundamentais a considerar e a salvaguardar.”

 

A religião como crítica à opressão. A figura messiânica de Óscar A. Romero (1917-1980)

“Houve a necessidade de que um Papa latino-americano reconhecesse que Romero foi um mártir da fé, que se lançou defendendo politicamente seu povo reprimido, para que, agora, possa ser venerado como figura messiânica exemplar. Nem João Paulo II, nem Bento XVI podiam desafiar a oligarquia salvadorenha, latino-americana e norte-americana dando esse passo. Agora é possível, ainda que nunca se saiba por quanto tempo!”, escreve o filósofo Enrique Dussel, em artigo publicado pelo jornal La Jornada, 23-05-2015. A tradução é do Cepat.
 
Eis o artigo.
Em inícios deste mês, estive nas universidades John Hopkins, de Frankfurt e de Heidelberg, dando um ciclo de conferências. O professor Ulrich Duchrow, da última casa de estudos mencionada, informou-me sobre recentes investigações em torno das circunstâncias históricas que podem estar na origem das religiões universais (como a mesopotâmica e egípcia, e no taoísmo, o budismo, os profetas de Israel, o cristianismo e o islã) e da própria filosofia (como entre os pré-socráticos).

Santidade política



Marcelo Barros


Adital
Depois de longas discussões e atropelos, o Vaticano retomou o processo de canonização de Dom Oscar Romero. Nesse último sábado, 23 de maio, na praça principal de El Salvador, a Igreja Católica o proclamou beato, etapa anterior ao reconhecimento oficial de que ele viveu uma santidade que é exemplo para todos. Do mesmo modo, no domingo 03 de maio, com permissão de Roma, a arquidiocese de Olinda e Recife abriu o processo de canonização de Dom Helder Camara.

terça-feira, 26 de maio de 2015

PENSAMENTO DO DIA:

 

Papa Francisco e a mudança na teologia moral. Da ética sexual para a ética social. Entrevista especial com Todd A. Salzman e Michael G. Lawler

"Esperamos que Francisco encoraje os fiéis a se informarem para desenvolver suas consciências, e a se empoderar para segui-las, mesmo que estas posturas vão de encontro aos ensinamentos falíveis do magistério sobre normas sexuais", analisam os teólogos moralistas. 
Foto: profeciasoapiceem
“A maioria vê Francisco como um sopro de ar fresco”. Assim Todd A. Salzman e Michael G. Lawler definem como o atual pontificado é visto nos Estados Unidos. Para eles, é mais ou menos isso que Francisco faz com conceitos e posições da Igreja. Ele não os modifica, mas é como se abrisse uma janela. Por essa abertura há entrada de oxigênio, capaz de alimentar e trazer luz às discussões. É um começo. Um exemplo é quando os professores tratam do ensino moral segundo a leitura de Bergoglio.
“Há certamente uma evolução no tom de Francisco quando se trata do ensino moral”, argumentam. Porém, alertam: “Para que tal evolução ocorra, no entanto, Francisco precisa traduzir esta ternura e amor de uma perspectiva pastoral em mudanças substantivas no ensino doutrinal”.

Por uma Igreja livre das amarras sistêmicas. Entrevista especial com Paulo Suess


"Está na lógica de uma 'Igreja em saída' às periferias e fascinada pela 'alegria do Evangelho' nos meios populares, que ela traz algo de volta, aprendizados de simplicidade, alegria, abertura. O Papa Francisco nos mostra essa reciprocidade do 'ir e vir' a cada dia", afirma o teólogo. 
Foto:eccevenio.wordpress.com
Para o Papa Francisco a missão da Igreja não é de convencer ninguém a ser católico, mas ir ao encontro do outro. “Vais convencer o outro a tornar-se católico? Não, não, não! Vais encontrar-se com ele, é o teu irmão! E isto é o suficiente. E você vai ajudá-lo; o resto é feito por Jesus, o Espírito Santo faz”, parafraseia Paulo Suess, ao lembrar a videomensagem enviada pelo Papa aos seus patrícios por ocasião da Festa de São Caetano.
Em entrevista por e-mail à IHU On-Line, Suess destaca que o papel dos missionários e das missionárias não é salvar almas, mas vidas. Nesse sentido traz à discussão que Francisco faz sobre uma certa racionalidade baseada na “eficiência” contemporânea. “Vivemos numa época de aceleração de todos os processos produtivos. Também os processos pastorais, que se concentram nas mãos de poucos, são marcados por essa aceleração que dificulta o encontro e acompanhamento pastoral. O mundo acelerado valoriza mais a chegada e o resultado final que o caminho e o processo”, pontua.

Monsenhor Romero, o bispo rebelde salvadorenho e a luta ideológica (parte II)




Adital
Em um curto período histórico, Monsenhor Romero conseguiu transformar e transformar-se desde um discurso ideológico dominante de submissão até um de rebeldia e libertação. Na base desta profunda mudança esteve a luta popular, que o converteu em profeta em conflito dentro de sua igreja com bispos reacionários, com o Vaticano de João Paulo II, contra a oligarquia dominante, os militares, e até contra o governo dos Estados Unidos.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

PENSAMENTO DO DIA


PAPA FRANCISCO:

deixemo-nos olhar por Jesus para seguir seu caminho.                   

Francisco dedicou homilia desta sexta-feira (22/05) aos três "olhares" de Jesus a Pedro - OSS_ROM

22/05/2015 11:03

Papa Francisco e a Igreja no Brasil. O desafio da conversão pastoral e de um novo modelo de Igreja.

 Entrevista especial com Sérgio Coutinho
“Em relação ao clero e ao episcopado no Brasil, o ‘efeito Francisco’ ainda é um pouco mais O anseio por uma Igreja “em saída”, que leve Jesus para todos os espaços, tem emergido como uma das principais linhas condutoras do pontificado de Bergoglio nesses dois anos.

A análise é de Sérgio Coutinho, que considera, entretanto, que as palavras de Francisco têm recebido mais aceitação do que propriamente “os gestos mais proféticos” do Papa. Segundo o historiador, há uma intenção clara de solidificar o caráter missionário da Igreja, buscando uma aproximação maior com a sociedade, sobretudo com os estratos mais pobres da população. Trata-se da busca de uma mudança de mentalidade e de estrutura em direção à perspectiva do discípulo-missionário, que se propõe a “tocar a carne de Cristo”, destaca.  

sábado, 23 de maio de 2015

PENSAMENTO DO DIA


Francisco e a nova política papal


Massimo Faggioli, 15 de maio de 2015
escreve Massimo Faggioli, doutor em História da Religião e professor de História do Cristianismo no Departamento de Teologia da University of St. Thomas, de Minnesota, Estados Unidos, em artigo publicado por Global Pulse, 13-05-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

A crise atual deve ter alguma saída

 Leonardo Boff – 14 de maio de 2015
Não sairemos da crise nem desfaremos os conchavos golpistas sem uma reforma política, tributária e agrária. Caso contrário a democracia será manca e caolha”
 A crise política e econômica atual cria a oportunidade de fazermos realmente mudanças profundas como a reforma política, tributária e agrária. Para termos a embocadura correta, importa considerar alguns pontos prévios.
 

A beatificação de Romero sinaliza para onde Francisco está conduzindo a Igreja?

Romero era acusado pelos críticos, dentro e fora da Igreja, de estar “se metendo na política” e de subverter a missão espiritual da Igreja, a qual, diziam eles, era a de salvar almas. Longe de abandonar os ensinamentos da Igreja, Romero estava aplicando os documentos do Vaticano II e de Medellín e as encíclicas do Papa Paulo VI à realidade do povo de Deus em El Salvador.”
 

Pat Marrin - 20 de maio de 2015
A beatificação do arcebispo martirizado Oscar Romero em 23 de maio irá reconhecer o que já é celebrado em toda a América Latina desde o seu assassinato no altar em 24 de março de 1980, em El Salvador.
Numa época de perseguição, Romero deu a sua vida pelo seu rebanho, tal como faz um bom pastor. Ele modelou a forma como de seria um bispo em uma Igreja comprometida com a justiça aos pobres. A morte de Romero e o batismo de sangue pelo qual passou o povo de El Salvador durante 12 anos de guerra civil (1980-1992) tem, inevitavelmente, grandes implicações para a Igreja universal – e para nós da América do Norte.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

DOM JOSÉ MARIA PIRES EM FORTALEZA - III


10 e 11 de junho de 2015

CENTRO PASTORAL - 19h00

 “Há uma preocupação comum que parece emergir a cada passo da caminhada:

é a consciência de que a Igreja tem que anunciar um novo êxodo,

uma saída do centro para as margens e, por coerência,

ela própria tem que fazer esse movimento.

Daí o relevo dado ao pobre, ao fraco, ao subdesenvolvido.

Daí a insistência na dimensão humana do Evangelho.

Daí o cuidado de identificar o pecado

não apenas nas violações das normas morais e religiosas,

mas sobretudo no desrespeito a normas éticas do comportamento social.”[1]

Dom José Maria Pires (1980)

 

PENSAMENTO DO DIA


Educação pública ou irresponsabilidade pública?

Fr. Marcos Sassatelli     Adital


A greve dos trabalhadores e trabalhadoras da educação pública municipal de Goiânia (servidores docentes e administrativos), no dia 13 do mês corrente, completou 30 dias. Diante dessa realidade, eu pergunto: trata-se de educação pública ou de irresponsabilidade pública? A resposta é: de irresponsabilidade pública.

Unidade nas diferenças



Marcelo Barros


Adital
Em meio a um mundo cada vez mais diversificado, a unidade entre pessoas e a paz no mundo representam desafios sempre mais exigentes.

Monsenhor Romero, o bispo rebelde salvadorenho e a luta ideológica (parte I)

 
Roberto Pineda

Adital
 
"Eu denuncio, sobre tudo, a absolutização da riqueza. Este é o grande mal de El Salvador: a riqueza, a propriedade privada como um absoluto intocável. E ai daquele que toque nesse arame de alta tensão! Se queima..." Monsenhor Romero, Homília de 12 de agosto de 1979.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

A Igreja e o processo de abertura que nunca acaba. Entrevista especial com Roberto Zwetsch

“Francisco defendeu que a igreja dos pobres é mais que uma categoria sociológica, filosófica ou política. Ela tem um significado teológico, pois ‘Deus manifesta sua misericórdia a eles’”, afirma o teólogo.
Foto: acidigital.com
“Com o Papa Francisco parece que estamos adentrando um novo tempo da vivência ecumênica, que tem como marcos a Conferência de Missão e Evangelização de Edimburgo em 1910, o surgimento do Conselho Mundial de Igrejas em 1948 e, evidentemente, o Concílio Ecumênico Vaticano II (1963-1965), cujo cinquentenário estamos comemorando num novo momento histórico”, pontua Roberto Zwetsch em entrevista à IHU On-Line, concedida por e-mail, por ocasião de sua participação no II Colóquio Internacional IHU – O Concílio Vaticano II: 50 anos depois. A Igreja no contexto das transformações tecnocientíficas e socioculturais da contemporaneidade.

20-70-10. As incógnitas de um papado

    “Há depressão, o povo está de cabeça baixa. Quando fala dos bispos, este Papa que em geral mostra grande misericórdia com todos, parece inclinado a usar a vara”. Relidas no dia seguinte, as palavras pronunciadas segunda-feira por Francisco na abertura dos trabalhos da Conferência episcopal italiana deixaram marcas profundas; e fizeram voltar a aflorar reflexões amargas. Elas têm sido vivenciadas como a confirmação de uma severidade que há meses é advertida com dor e surpresa: como se fosse a longa onda de um Conclave que em 2013 revelou uma maioria hostil a qualquer hipótese de Papado italiano e curial.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

PENSAMENTO DO DIA:


Brasil vai voltar a crescer e panelaços irão acabar

A crise parece muito grande, mas não é. O Brasil vai voltar a crescer, tem uma economia privilegiada e será uma sociedade mais igualitária. A burguesia do país é muito autoritária, mas seu jogo não vai prosperar. Os panelaços não terão continuidade. "A sociedade não aguenta mais ver a demissão de 2.000 pessoas".

PAPA FRANCISCO:

sabedoria e equilíbrio na educação dos filhos.                   
Papa saúda os fiéis antes do início de sua catequese, na Audiência Geral (20/05) - REUTERS

20/05/2015 08:44

A beatificação de Romero sinaliza para onde Francisco está conduzindo a Igreja?

A beatificação do arcebispo martirizado Oscar Romero em 23 de maio irá reconhecer o que já é celebrado em toda a América Latina desde o seu assassinato no altar em 24 de março de 1980, em El Salvador.
 
Numa época de perseguição, Romero deu a sua vida pelo seu rebanho, tal como faz um bom pastor. Ele modelou a forma como de seria um bispo em uma Igreja comprometida com a justiça aos pobres. A morte de Romero e o batismo de sangue pelo qual passou o povo de El Salvador durante 12 anos de guerra civil (1980-1982) tem, inevitavelmente, grandes implicações para a Igreja universal – e para nós da América do Norte.
 
 

terça-feira, 19 de maio de 2015

DOM JOSÉ MARIA PIRES EM FORTALEZA - II



10 e 11 de junho de 2015
CENTRO PASTORAL - 19h00
 


“E, quer se queira, quer não, os vestígios da cultura negra mostram-se presentes em toda parte.

Nós, negros, não devemos admitir nenhum complexo de inferioridade,

porque nossos pais foram feitos escravos.

Se como escravos puderam construir tantas riquezas econômicas e artísticas,

se puderam inventar um modelo de sociedade justa, fraterna e aberta

como eram os quilombos, se os reisados e congados e o carnaval

estão aí para demonstrar sua capacidade de celebrar e de festejar,

o que não teriam feito se gozassem de liberdade,

se pudessem ir à escola, se pudessem dar asas a sua criatividade?”[1]

Dom José Maria Pires

 

Qual utopia? O que fazer?



Frei Betto


Adital
Essas duas interrogações movimentam os grupos de oração que assessoro. Diante da depressão cívica que assola o Brasil, há que recorrer à lâmpada de Diógenes e buscar luz no fim do túnel.
Utopia significa quimera, o que não se pode alcançar. Eduardo Galeano a comparou ao horizonte: quanto mais se caminha rumo a ele, mais ele se afasta. No entanto, ele norteia os nossos passos. O termo foi cunhado por Thomas Morus, santo católico, no livro de mesmo título publicado na Inglaterra, em 1516.

Conjuntura e desafios



Manfredo Araújo de Oliveira


Adital
A conjuntura difícil e complicada que nos marca, ligada a atitudes passionais das pessoas que dela tratam, põe-nos diante do perigo, em virtude dos interesses que estão em jogo, de esquecer as questões centrais que constituem os grandes desafios de nossa vida coletiva. É notícia agradável saber que a CNBB, reunida em assembleia anual, concentrou-se em sua análise de conjuntura numa questão estrutural fundamental que marca o Brasil desde seu nascimento: a desigualdade social. As contradições políticas, econômicas, jurídicas e sociais implantadas e mantidas ao logo de sua história ainda são presentes até os dias atuais.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Não é preciso ir à “terra santa”

Não é preciso ir à “terra santa

O segredo da simbólica da Ascensão é o Pentecostes, uma Igreja de saída que o Papa Francisco veio acordar.
 – 17/05/2015
“Como já disse nestas crónicas, a defesa da tradição cristã não se faz com os métodos das indústrias de conserva. É vitalizada no confronto e no diálogo com os desafios de cada época, na diversidade dos povos, a partir dos guetos sociais e culturais criados pelos interesses financeiros e económicos da nova desordem do mundo.”
  
 1. Quem se sentir desafiado por Jesus Cristo não deve ignorar que, para além da sua experiência vital e do conhecimento afectivo, tem de recorrer também aos estudos que ajudam a ler os escritos do Novo Testamento (NT) e os ziguezagues da sua influência, ao longo dos séculos. A não ser que se aposte na preguiça piedosa: quanta mais ignorância, mais devoção.
Os resultados da investigação histórica e os frutos da hermenêutica das configurações simbólicas, legadas pelas primeiras gerações cristãs, não devem servir apenas para compor as estantes das bibliotecas das faculdades de teologia.

MENSAGEM DE SUA SANTIDADE PAPA FRANCISCO PARA O XLIX DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS

Comunicar a família:  ambiente privilegiado do encontro na gratuidade do amor

 Na família, é sobretudo a capacidade de se abraçar, apoiar, acompanhar, decifrar olhares e silêncios, rir e chorar juntos, entre pessoas que não se escolheram e todavia são tão importantes uma para a outra… é sobretudo esta capacidade que nos faz compreender o que é verdadeiramente a comunicação enquanto descoberta e construção de proximidade.

O tema da família encontra-se no centro duma profunda reflexão eclesial e dum processo sinodal que prevê dois Sínodos, um extraordinário – acabado de celebrar – e outro ordinário, convocado para o próximo mês de Outubro.

domingo, 17 de maio de 2015

PENSAMENTO DO DIA

Catolicismo 2015-2025: o que vai acontecer? Artigo de Massimo Faggioli

A questão institucional da Igreja está em aberto: Paulo VI tentou reformar a Cúria, João Paulo II confiou-se ao Santo Ofício para governar, e Bento XVI nunca viu o governo da instituição eclesiástica como uma das suas tarefas principais. Os resultados do último meio século estão diante dos olhos de todos. Não é uma questão apenas formal de colegialidade, descentralização e subsidiariedade do processo decisional, mas uma questão substancial.

A crise interna, a Petrobras e o BRICS


Rennan Martins

Adital
Parceria estratégica Brasil-China é a solução para a economia nacional?
A vinda de Joaquim Levy e sua ortodoxia para a Fazenda [Ministério da Fazenda] significa a continuidade da política econômica petista, não mudança. Os juros estratosféricos visam a tão somente atraírem capitais externos para fechar o balanço de pagamentos, e a dinâmica da inflação no Brasil é ligada aos preços administrados e ao alto grau de indexação. O ajuste fiscal e a Operação Lava Jato podem custar 5% do PIB [Produto Interno Bruto], um desastre recessivo.

Elementos para uma nova política econômica



Célio Turino


Adital
Apresentado como tábua de salvação para a economia (e para o governo), o Ajuste Fiscal do governo Dilma, sob a batuta do ex-funcionário do FMI e Bradesco, ministro Joaquim Levy, trará resultado oposto do prometido e agravará os problemas econômicos e sociais do Brasil. Ao combinar elevação de juros públicos (via SELIC) com cortes em direitos sociais, políticas públicas e investimentos, a atual política econômica jogará o país em um negativo círculo vicioso, que irá reduzir ainda mais o dinamismo da economia e os direitos dos cidadãos. Como beneficiários, apenas o Sistema Financeiro, os rentistas e as 20.000 famílias mais ricas.

sábado, 16 de maio de 2015

“A SANTA MISSA” e/ou “MEMORIAL DA ÚLTIMA CEIA”


Prezados leitores,

            O MFPC-Ceará, através de sua Comissão Temática, está realizando, neste ano de 2015, encontros mensais de leitura, estudo, reflexão e debate sobre textos, livros, momentos atuais e temas relevantes à vida de cada dia. Visamos nos atualizar acerca de questões que influenciam nossa vida e, às vezes, nos afligem, ou, em outros momentos, nos abrem portas para um futuro mais promissor. Somos cientes de que este processo de conscientização nos ajuda de forma positiva no nosso crescimento como seres humanos, no nosso agir, como na nossa interação entre nós e com o mundo no qual estamos inseridos.

PENSAMENTO DO DIA

Ajuste, política e religião




Adital
Por Gilberto Maringoni*
Há um grande equívoco na praça. Trata-se da ideia de que o ajuste fiscal em curso seria um conjunto de medidas econômicas, que envolve corte de gastos, elevação de impostos, realismo tarifário e racionalização administrativa.
O engano é potencializado pelo fato de o comandante-em-chefe da iniciativa ser o ministro da Fazenda. Soma-se a isso a constatação de que os debates sobre o ajuste estão sempre acoplados a avaliações acerca da conjuntura econômica do país.

Fechar os olhos, engolir, obedecer, seria o novo lema para os católicos do Brasil?

Parece ser que viver a fé na vida política não é debater dentre os diversos modelos de reforma política, mas aceitar apenas o da Coalizão. Reflexões de Paulo Jacobina, Procurador Regional da República e Mestre em Direito Econômico

sexta-feira, 15 de maio de 2015

REFORMA POLÍTICA

reproducao

Textos combatendo a reforma política e acusando a Conferência dos Bispos são distribuídos

 “A Conferência e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) foram algumas das primeiras organizações a aderirem à Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas. A coleta de assinaturas é uma orientação da CNBB, sendo realizada nas paróquias de vários estados.  A Coalizão reúne mais de 100 entidades e pretende coletar 1,5 milhão de assinaturas, para apresentar ao Congresso Nacional um Projeto de Lei de Iniciativa Popular.”

PENSAMENTO DO DIA

"O resíduo se renova, enquanto o catador se desgasta". Cargas de trabalho e desgaste da saúde física e mental. Entrevista especial com Tanyse Galon

“Na medida em que os catadores e catadoras buscam a sobrevivência por meio da coleta de recicláveis, dando uma característica de mercadoria ou produto vendável a algo que não tinha mais valor, eles vivenciam nesse processo várias cargas de trabalho e desgaste da saúde física e mental”, constata a enfermeira.

Igreja Católica abre-se à teologia da libertação enquanto seu fundador é recebido no Vaticano

Durante décadas, Gustavo Gutierrez, teólogo peruano e padre dominicano, foi tratado com desconfiança e até mesmo com desprezo pela hierarquia do Vaticano, que o viam como um marxista agitador perigoso que usava a fé como um instrumento de revolução. Gutierrez foi o fundador de um movimento progressista dentro da Igreja Católica conhecido como a Teologia da Libertação, e embora nunca tenha sido censurado da forma que alguns de seus compatriotas de filosofia foram, com frequência, havia rumores de que Gutiérrez estava sendo investigado pelo czar doutrinal do Papa João Paulo II, um cardeal alemão chamado Joseph Ratzinger que depois se tornaria Papa Bento XVI.

Papa com a Caritas Internacional:Papa com a Caritas Internacional:

levar o amor de Cristo.                   

Papa Francisco na Missa com Caritas Internacional - AFP

13/05/2015 09:47

quinta-feira, 14 de maio de 2015

DOM JOSÉ MARIA PIRES EM FORTALEZA - I


BISPO DA IGREJA DO POVO
 
10 e 11 de Junho de 2015
CENTRO PASTORAL - 19 horas 

JOSÉ MARIA PIRES nasceu em Conceição do Mato Dentro no distrito de Córregos (MG) em 15 de março de 1919.

Aos doze anos de idade entrou no seminário de Mariana. Ordenou-se padre aos 22 em Diamantina em 20 de dezembro de 1941.

Sua ordenação de bispo veio em 22 de setembro de 1957, sendo nomeado para a diocese de Aracuaí (MG), servindo ao bom povo daquele interior mineiro. Seu lema episcopal diz: “SCIENTIAM SALUTIS” (A ciência da Salvação).

PENSAMENTO DO DIA

A crise atual deve ter alguma saída

 
 

Leonardo Boff


Adital

A crise política e econômica atual cria a oportunidade de fazermos realmente mudanças profundas como a reforma política, tributária e agrária. Para termos a embocadura correta, importa considerar alguns pontos prévios.