segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

EM CHIAPAS, PAPA RECONHECE POVOS INDÍGENAS COMO SUJEITOS DA TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO


Na histórica catedral de San Cristóbal de Las Casas, o Papa Francisco visitou, no último dia 15 de fevereiro, o túmulo de Samuel Ruiz (1924-2011), o bispo mais polêmico da Igreja no México, que defendeu os indígenas e foi mediador com a guerrilha zapatista de Chiapas. "Tatic” (nosso pai), como o chamavam os indígenas, foi perseguido por governantes e caciques e, inclusive, criticado por seus próprios pares por sua proximidade com a Teologia da Libertação, e por ser defensor e voz dos indígenas oprimidos.
Alguns analistas se perguntam: "Não se dará conta o Papa que vai semear confusão com esse gesto? Não se dará conta que se pode reativar a Teologia da Libertação?”. Se Francisco se ajoelhou em frente ao túmulo de Don Samuel significa que o Papa simpatiza com o marxismo?

Entre a insustentável retórica do déficit e as verdadeiras razões da reforma previdenciária. Entrevista especial com Denise Gentil

“Baseado nos preceitos constitucionais, não há déficit na previdência. Em 2013 houve um superávit de R$ 67 bilhões, em 2014 um superávit de R$ 35 bilhões e em 2015 de R$ 16 bilhões”, constata a economista.
Foto: www.cut.org.br
Tão sólido quanto um castelo de areia é o argumento em torno do déficit orçamentário da previdência. O ponto central de quem defende uma mudança no regime de concessões de aposentadorias é que o orçamento da pasta é deficitário.
Na contramão do quem vem sendo defendido pelo governo federal, estudos apontam que os recursos para a seguridade social são superavitários, mesmo em tempos de recessão econômica.
“Tenho defendido que o governo faz um cálculo sem considerar o que prevê a Constituição Federal nos artigos 194 e 195. Nesses dois artigos verifica-se que os recursos que pertencem à seguridade social, que financiarão os gastos com saúde, assistência social e previdência, são provenientes de várias fontes de receita”, sustenta Denise Gentil, em entrevista por telefone àIHU On-Line.

31 de março, Dia Nacional de Mobilização em defesa de nossos direitos!



DOCUMENTO
Adital
Convocamos o povo brasileiro a defender nossos direitos duramente conquistados em séculos de lutas, entre eles a Previdência Pública contra a proposta de uma Reforma que estabeleça idade mínima para aposentadoria e ataque direitos dos trabalhadores.

Celam: 'Nossa preocupação com o Acordo de Associação Transpacífico - TPP'



CELAM
Adital

Nós, bispos da América Latina e Caribe, nos dirigimos à sociedade civil, aos governos do Continente e à opinião pública em geral, com a esperança de poder unir nossos corações e nossas vozes ante uma situação de alcance global que nos convida a ratificar, através da ação, a opção preferencial pela vida, que é sagrada, e à dignidade da pessoa humana por cima dos interesses do lucro e do comércio.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

América Latina: as bases sociais da nova direita



La Jornada
Adital
Para explicar contra-ataque conservador, não basta culpar a mídia. É hora de examinar transformações da classe média e desarticulação dos setores populares. 

Relação entre zika e aborto divide entidades ligadas à Igreja



Cristina Fontenele
Adital
Segundo o Informe Epidemiológico de Microcefalia, divulgado pelo Ministério da Saúde, na última terça-feira, 23 de fevereiro, há 4.107 casos suspeitos de microcefalia sendo investigados no Brasil. 583 casos já estão confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central, sendo 67 destes já clinicamente relacionados ao zika vírus. O estado com maior número de casos de microcefalia continua a ser Pernambuco, com 1.188 em investigação, dos quais 209 foram confirmados; seguido da Bahia, com 582 casos suspeitos; e Paraíba, com 440.

Esta Quaresma começou bem

A falta de humor teológico e litúrgico acaba sempre por sacralizar o ridículo
1
 – 21/02/2016
 1. As Igrejas Católica Romana e Católica Ortodoxa, em 1054, consumaram, de forma solene, o seu progressivo divórcio:excomungaram-se reciprocamente. Dizia-me um amigo, pouco entendido em questões de religião: isso de excomunhões deve ser com como lançar um feitiço para o quintal do vizinho. Só funciona se os dois acreditarem nisso.
De facto, quase durante um milênio, foi mantida essa sacralizada ficção. As duas partes faziam de conta que Deus dependia das suas quezílias teológicas e culinárias.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Quem acredita na força dos grandes bancos?

Antonio Luiz M. C. Costa  – 19/02/2016
5“O grande nó continua a ser, porém, a própria banca europeia. Prejuízos como os do Deutsche Bank e do Credit Suisse são o reconhecimento contábil de erros e fraquezas insuspeitadas, anteriores ao colapso do petróleo, em duas das maiores e aparentemente mais sólidas instituições financeiras europeias”, escreve Antonio Luiz M. C. Costa, colunista, em artigo publicado por CartaCapital, 19-02-2016, com o título: Toda a Solidez se desfaz no ar .

Perspectivas teológicas uma década depois da encíclica sobre caridade

Adital
"A caridade não acaba nunca: perspectivas 10 anos depois da encíclica Deus caritas est” é o título da conferência internacional que tem lugar de 25 a 26 de fevereiro, na Aula Nova do Sínodo, no Vaticano. A conferência, organizada pelo Pontifício Conselho "Cor Unum”, faz parte do programa de acontecimentos do Jubileu da Misericórdia e se propõe a examinar e aprofundar as perspectivas teológicas e pastorais da encíclica do Papa Bento XVI, no mundo de hoje, em particular para os que trabalham no serviço de caridade da Igreja. Participam do evento, entre outros, os representantes das conferências episcopais e dos organismos de caridade católicos de todo o mundo.

AGIR COMO IRMÃOS, NÃO COMO CONCORRENTES

Agire da fratelli, non da concorrenti
IGREJA ORTODOXA RUSSA – Departamento de Relações Exteriores do Patriarcado de Moscou
Alexey Sosedov  – 8/02/2016
 Em 12 de fevereiro de 2016 teve lugar em Havana o primeiro encontro do Patriarca de Moscou e de Toda a Rússia com o Papa, uma reunião que estava na ordem do dia das relações entre as duas Igrejas desde há 20 anos..

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Dez direitos do coração



Leonardo Boff
Adital
Atualmente se constata fecunda discussão filosófica sobre a necessidade do resgate da razão cordial, como limitação da excessiva racionalização da sociedade e como enriquecimento da razão instrumental-analítica, que deixada em livre curso, pode prejudicar a correta relação para com a natureza que é de pertença e de respeito a seus ciclos e ritmos. Elenquemos aqui alguns direitos da dimensão do coração.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

A grande beleza do Universo em expansão e a Teoria da Relatividade de Einstein. Entrevista especial com Carlo Rovelli

"Espaço e tempo agora são entendidos como aspectos de um campo dinâmico, uma espécie de enorme água-viva em movimento na qual estamos imersos", destaca o físico italiano.


O físico e o artista trilham caminhos diferentes, mas rumam para o mesmo lado: a grande beleza. No fundo, parece ser o belo que nos leva a construir uma ética que possa ser compatível com o nosso espaço-tempo. Pensar os fenômenos da física é pensar o ser humano.
“Acho que os ensinamentos mais importantes da física são (1) que não devemos acreditar muito na intuição direta: devemos estar prontos para mudar a mente, e (2) não devemos acreditar no que as gerações anteriores pensavam: elas sabiam muito pouco, menos ainda do que nós”, sustenta o professor e pesquisador Carlo Rovelli, em entrevista por e-mail àIHU On-Line.

Familiares aguardam medidas concretas contra torturadores de Frei Tito



Cristina Fontenele
Adital
O Ministério Público Federal (MPF)denunciou, neste mês de fevereiro, dois capitães do Exército brasileiro, Homero César Machado e Maurício Lopes Lima, pelo crime de lesão corporal grave, com o emprego de vários tipos de suplícios físicos e psicológicos, contra a vida de Frei Tito de Alencar Lima, na época da ditadura militar no Brasil. Os procuradores pedem a perda do cargo público dos denunciados, o cancelamento de aposentadoria ou qualquer provento de reforma remunerada de que disponham, e a retirada das medalhas e condecorações obtidas. Familiares de Frei Tito esperam medidas concretas para a consolidação da justiça.

Pataxó e Tupinambá em Brasília – continuando a luta


Egon Dionísio Heck
Adital
Tudo começou há mais de cinco séculos. Quando o ávido Cabral já estava meio desanimado de chegar às Índias, foi surpreendido por um monte. Não se conteve e gritou: "Terra à vista!” Lá em terra, do alto do Monte Pascal, os índios Pataxó também gritaram: "invasores à vista”. Depois daquele instante fatídico, não tiveram mais sossego. A invasão se consolidou e a violência só aumentou. Os Tupinambá foram exterminados aos milhares. Só a resistência, sabedoria e espírito guerreiro é que possibilitou a sobrevivência.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

[ENTREVISTA ESPECIAL] Uma nova primavera eclesial na Igreja?


Cristina Fontenele
Adital
Em entrevista exclusiva à Adital, o teólogo espanhol Victor Codina, especialista em Pneumatologia, explica a relevância desta reflexão teológica sobre o Espírito, que a ajuda as pessoas a se abrirem ao amor, à justiça e à dignidade humana. Sobre os caminhos futuros da Igreja, o teólogo destaca que o Papa Francisco retoma o Concílio Vaticano II e, mesmo com forte oposição dentro da Igreja, desperta uma nova primavera eclesial.

Quaresma. Um apelo à conversão



Tiago de França da Silva
Adital
"Agora, diz o Senhor, voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos; rasgai o coração, e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; ele é benigno e compassivo, inclinado a perdoar o castigo” (Joel 2, 12).

Uma cultura cujo centro é o coração


A nossa cultura, a partir do assim chamado século das luzes (1715-1789), aplicou de forma rigorosa a compreensão de René Descartes (1596-1650) de que o ser humano é "senhor e mestre” da natureza, podendo dispor dela ao seu bel-prazer. Conferiu um valor absoluto à razão e ao espírito científico. O que não conseguir passar pelo crivo da razão, perde legitimidade. Daí se derivou uma severa crítica a todas as tradições, especialmente à fé cristã tradicional.

O intelectual argelino: “Impossível escrever sobre o Islã, me retiro”

Resultado de imagem para Kamel Daoud
Stefano Montefiori, nosso correspondente em Paris
Tradução: Orlando Almeida
Na foto: Kamel Daoud (AFP)
Na Argélia uma fatwa. O escritor Daoud deixa o jornalismo. “Dos muçulmanos da Argélia aos cafés parisienses que me acusam de islamofobia, só insultos”

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

A busca da espiritualidade pela juventude no ambiente virtual


Jilwesley Almeida
Adital
Pelo fato da juventude estar cada vez mais conectada ao ambiente virtual e se sentir atraída pelas inovações tecnológicas do mundo contemporâneo, a igreja tem buscado utilizar-se dessas ferramentas para despertar e fortalecer a espiritualidade nos jovens. As redes sociais mudaram a forma como a juventude interage com o mundo à sua volta e também a forma como compartilham suas crenças e anseios.

“Evitar a gravidez não é um mal absoluto”, destaca o Papa Francisco sobre o zika vírus durante o voo de volta do México

“A pedofilia é uma monstruosidade, porque um padre é consagrado para levar uma criança a Deus e aí se aproveita dela em um sacrifício diabólico, destruindo-a”.
Papa Francisco foi contundente em sua condenação dos abusos sexuais durante o voo de volta do México. Respondendo a perguntas dos jornalistas, Bergoglio assinalou que “um bispo que transfere um padre de paróquia quando se descobre que é um pedófilo é um inconsciente, e o melhor que pode fazer é apresentar sua renúncia. Claro?”

Territórios em disputa: “há dificuldade em saber qual é o tamanho real da presença estrangeira no Brasil”. Entrevista especial com Roberto Miranda

A partir dos anos 1990, com a abertura econômica do Brasil e mudanças na legislação, “passa a haver uma força muito maior do capital internacional atuando no processo produtivo e de comercialização de grãos no país”, constata o pesquisador.
Foto: www.paranacooperativo.coop.br


A história do Brasil é permeada por intensos processos de luta por território que já se iniciam com a chegada dos primeiros colonizadores. Entretanto, essas disputas nunca cessaram e se atualizam nos confrontos entre as populações tradicionais e o capital, que se personifica na figura dos grandes produtores agrícolas e nos grupos envolvidos na construção de vultosas obras de infraestrutura de empreendimentos como as usinas hidrelétricas.
Segundo Roberto Miranda, especialista que acompanha de perto as questões sociais no campo, existem diversos projetos territoriais no país que defendem seus interesses quanto aos modos de ocupação e usos da terra.

Quem matou Dorothy Stang continua matando



Jacques Távora Alfonsin
Adital
A repercussão desse assassinato deu a impressão que a violência de crimes praticados por motivos idênticos diminuiria. Os fatos provam o contrário.


sábado, 20 de fevereiro de 2016

Ações coletivas em prol do bem comum



Dom Reginaldo Andrietta
Adital
Neste primeiro artigo como Bispo Diocesano de Jales, apresento meus agradecimentos pela acolhida que tenho recebido, esclareço o sentido da minha missão, compartilho minhas primeiras impressões sobre a realidade que passo a integrar e convido as forças vivas da região para ações coletivas em prol do bem comum.

Ocupação 'Sonho Real' (GO): 11 anos se passaram

Fr. Marcos Sassatelli
Adital
16 de fevereiro de 2005 tornou-se o símbolo da maior barbárie humana de toda a história de Goiânia: um verdadeiro massacre praticado com requintes de crueldade. Fazer a memória dos principais fatos dessa barbárie renova a nossa esperança num "outro mundo possível”. Retomo alguns dados do artigo de fevereiro de 2015 "Parque Oeste Industrial: 10 anos de impunidade”, e faço algumas reflexões.


Os corpos matáveis de uma sociedade. Entrevista especial com Alexandre Ciconello

"Quem está morrendo é esse invisível, e o racismo faz com que a outra parte da sociedade, a sociedade branca, não se interesse por isso", demonstra o especialista em direitos humanos. 
Imagem: novojornal.jor.br
violência e o homicídio de negros são mais uma faceta do racismo que se vive no Brasil. É o que defende o advogado e assessor de direitos humanos da Anistia Internacional Alexandre Ciconello. “Quem está morrendo é esse invisível, e o racismo faz com que a outra parte da sociedade, a sociedade branca, não se interesse por isso”, destaca ao lembrar que as maiores vítimas de homicídios são homens jovens, negros e moradores de periferia.
Para Ciconello, essa falta de visibilidade faz com que a sociedade e até o poder público não encarem o problema de frente. “Temos de romper com a indiferença e isso tem a ver com racismo, pois aqueles que estão morrendo não são os filhos daqueles que têm poder numa sociedade. Se fosse, essa situação já teria mudado. Afinal, quem está morrendo é o outro, aquele que não tem voz e que está em situação subalterna”, completa.

Francisco e os padres casados

Durante a visita ao Brasil em 2013, o papa Francisco esteve ao lado dos índios que lutam pela proteção da floresta. A Amazônia deveria ser preservada como um “jardim do mundo”, disse o pontífice. A mesma definição foi depois utilizada na revolucionária encíclica ambiental Laudato si’, mas ninguém podia imaginar, até pouco tempo atrás, que na verde imensidão brasileira pudesse realizar-se também uma experimentação pastoral sem precedentes na história da Igreja. A notícia é que o papa tem total intenção de superar o celibato dos padres e que o projeto piloto será realizado no “jardim do mundo”.
A reportagem é de Clauco Bernabucci, publicada por CartaCapital, 16-02-2016.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Pedro, Pedra e Dom – 88 anos de Dom Pedro Casaldáliga


16 de fevereiro, Dom Pedro Casaldáliga completou 88 anos. Nascido em Balsareny, na província catalã de Barcelona, Pedro vive no Brasil desde 1968. Veio para o país para atuar como missionário em São Félix do Araguaia e, ao conhecer a realidade dos povos indígenas, passou a atuar na luta pelo reconhecimento de seus direitos, participando da fundação do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) na década de 1970.

Papa Francisco sai em defesa de João Paulo II e diz que amizade com mulher é possível

Centenas de cartas enviadas pelo papa João Paulo II para a filósofa norte-americana de origem polonesa foram reveladas em um documentário da emissora britânica BBC
O papa Francisco disse nesta quinta-feira, no avião que o levou do México para o Vaticano, que sabia da relação entre João Paulo II e a filósofa Anna-Teresa Tymieniecka e que a amizade entre homens e mulheres não é um pecado. 

João Paulo II teve amizade intensa com filósofa casada

"Eram mais que amigos, mas menos que amantes", diz jornalista da BBC responsável por reportagem sobre o tema
João Paulo II em 2003, dois anos antes de sua morte
O papa João Paulo II manteve durante mais de 30 anos uma amizade intensa com uma filósofa casada, Anna Teresa Tymieniecka, sem que existam provas de que rompeu o voto de castidade, segundo cartas reveladas pela televisão britânica BBC.

A Argentina sob domínio de Mauricio Macri – Parte I


Paulo Emanuel Lopes
Adital
Carlos Aznárez é diretor da revista Resumen Latinoamericano, prestigiado meio de comunicação alternativo argentino, que, ultrapassando as fronteiras do Rio da Prata, atua como um dos principais veículos contra-hegemônicos do continente latino-americano. Além da ingerência estadunidense, Aznárez ainda encontra outro adversário em sua militância: o Sionismo, que, através de uma instituição que representa politicamente a comunidade judia na Argentina, DAIA (Delegação de Associações Israelitas Argentinas - DAIA), move uma ação judicial contra o jornalista defensor da causa palestina.

Tentação e tentações


Pe. Alfredo J. Gonçalves
Adital
No início do percurso quaresmal de preparaçãoà Páscoa, a liturgia nos interpela com o tema das Tentaçõesde Jesus(Lc 4,1-13). Sãomuitas as tentaçõesque hoje nos perseguem, instigam e batem à porta. Múltiplas e variadas, estãopor toda parte. De maneira furiosa e apelativa, implícita ou explicitamente, rondam-nos a mente, o coraçãoe a alma, circulando de forma incisiva ao redor da existência de cada pessoa.

Via Campesina: caminhos e lutas no campo



Egon Dionísio Heck
Adital
A coordenação nacional da Via Campesina esteve reunida em Luziânia, no Centro de Formação Vicente Cañas, nos dias 11 e 12 deste mês.
Analisando o momento histórico e fazendo a memória da caminhada e das lutas no campo nesses últimos anos, viu-se que o tempo é propício para avançar na garantia dos direitos, na desconcentração da terra, na distribuição das riquezas. Sonhos, bandeiras e utopias mobilizando a esperança de mudanças profundas, urgentes e necessárias neste momento de crise sistêmica, tempo favorável de lançar sementes nas brechas dos muros.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Novo Jornal Rumos 244

Alegro-me em publicar e lhes enviar a nova edição 244ª de nosso Jornal Rumos.
Acredito que farão proveitosa leitura.
Aguardo e agradeço seus comentários e sugestões para meu e-mail gilgon@terra.com.br
Gilberto (Giba) editor  –  Com votos de boa quaresma e abençoada Páscoa.

Clique abaixo para abrir o jornal

[ENTREVISTA ESPECIAL] Teóloga avalia papel da mulher na Igreja no papado de Francisco

Cristina Fontenele
Adital

Decidida a ver o mundo a partir de uma perspectiva fora da Europa, a teóloga austríaca Martha Zechmeister esteve pela primeira vez na América Latina em 1999, quando relata ter passado por um "choque” em relação ao contexto social de El Salvador. No que denomina um "ano sabático”, Martha conheceu a tradição latino-americana, bem como Jon Sobrino [sacerdote e teólogo jesuíta], a história do monsenhor Oscar Romero [recentemente beatificado pelo Vaticano] e do teólogo e sacerdote jesuíta Ignacio Ellacuría. Em entrevista exclusiva à Adital, a teóloga explica as diferenças em comparação com o contexto europeu, revelando o conflito entre a teoria e a prática de ‘buscar e encontrar Deus em todas as coisas’, lema de Ellacuría.

Bullying deve ser combatido com apoio às vítimas e melhoria do ambiente escolar


Jilwesley Almeida
Adital
"Bullying é um sintoma de falta de saúde emocional, por parte do agressor, que pode afetar, seriamente, a da vítima”, afirma a presidenta da Associação pela Saúde Emocional de Crianças (Asec), Tânia Paris, em entrevista à Adital. Para ela, aquele que pratica o bullying busca sentir-se superior com a atitude agressiva e, como não consegue, isto acaba gerando um círculo vicioso perverso.

VIVER


Anselmo Borges  – 13/02/2016
Numa recente viagem à Índia, a um dado momento, no meio daquele trânsito absurdamente caótico e ensurdecedor, quando se fecha os olhos para não ver o que parece iminente: um choque em cadeia de uma infinidade de carros, motos, motoretas, bicicletas, riquexós e quejandos, pessoas em multidão a pé, alguém perguntou: “O que é que toda esta gente anda a fazer?”
Resposta pronta e sábia de um professor ilustre:“Andam a viver.”

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

O compromisso de pensar



Marcelo Barros
Adital
Dizem que, no Brasil, as atividades do ano só começam mesmo depois do Carnaval. Só a partir dessa semana, Escolas, universidades e empresas retomam seu ritmo normal. Os meios de comunicação nos bombardeiam com notícias de crise e corrupção. Algumas são verdadeiras, mas se misturam com boatos e delações que condenam as pessoas antes mesmo de serem julgadas.

Por que a casa dos Marinho em área de proteção ambiental não é motivo de denúncia?

“Muita gente diz que os Marinhos governam o Brasil. A casa de praia certamente demonstra que eles pensam que estão acima da lei”.
Por que a casa dos Marinho em área de proteção ambiental não é motivo de denúncia?  -Pergunta um Leitor doViomundo, via Facebook
Modernist Home   (Ver tradução abaixo – NR)

A incapturável potência das vidas. Entrevista especial com Natacha Silva Araújo Rena

"Na verdade, acredito que não há somente um novo sujeito político que resiste ao Império, penso que há também uma nova ontologia, um outro ser, outras formas de produção de subjetividade que afetam a forma cidadã", reflete a arquiteta.
Imagem: cerocash.info
Mais do que espaços de convivência, as metrópoles são espaços de produção de interpretações do mundo. A esses processos damos o nome de subjetivação, que estão relacionados às formas biopolíticas (as relações de poder, em última análise), mas também geram biopotências. “O termo biopotência fala da potência da vida, das resistências positivas e do poder da multidão, que para autores comoHardt e Negri é um conceito que apresenta uma nova ontologia e um novo sujeito político contemporâneo”, explica a professora e pesquisadora Natacha Silva Araújo Rena, em entrevista por e-mail à IHU On-Line.
Ao debater os espaços públicos e políticos a partir da perspectiva do design, Natacha sublinha que pensa as metrópoles a partir do conceito de Multidão, isto é, sociedades marcadas por um conjunto heterogêneo de singularidades. “Para falar destes novos modos de viver e trabalhar nas metrópoles e num mundo cada vez mais conectado em rede, o design adentra os processos comunicacionais, saindo de uma esfera privilegiada na qual apenas profissionais do design, da arte, da arquitetura e de outras profissões criativas costumavam produzir”, descreve a professora.