sexta-feira, 13 de maio de 2016

Papa Francisco e a reconciliação brasileira



Roberto Malvezzi, Gogó
Adital
Os que disseminaram o ódio até ontem, hoje amanheceram pedindo paz e reconciliação. O mote instrumentalizado foi o pronunciamento do Papa Francisco que "disse estar rezando pela paz e harmonia no Brasil”.
Na verdade, o Papa tinha acabado de receber Letícia Sabatella, como representante dos movimentos populares. Uma das preocupações dela dita ao Papa, mas já tantas vezes expressa por ela em outras circunstâncias, "é a do ódio, da raiva, que tomou conta do Brasil”. Portanto, sem manipulação a frase do Papa pode ser devidamente entendida.



Os cristãos – tento ser um deles – não têm direito ao ódio, à vingança ou à retaliação. Jesus disse que o distintivo de um cristão "é o amor ao inimigo”. Não pode haver desafio maior para um ser humano, ainda mais num momento como esse.
Entretanto, ele mesmo nos proibiu a prática das injustiças, ou a conivência com elas, ou a compactuação com o mal em geral. Então, essa distinção fina entre o ódio e a indignação é um dom o Espírito Santo, dimensão do dom do discernimento.
Já diziam os profetas bíblicos que "a paz é fruto da justiça”. A verdadeira reconciliação não é um acordo de gabinete, nem um acerto nos moldes Herodes e Herodíades sobre a cabeça de João Batista.
A verdadeira reconciliação só é possível com a superação das injustiças. Portanto, traduzindo para os dias atuais, não é possível a reconciliação brasileira enquanto não houver reconhecimento dos direitos de todos os brasileiros, a partir dos historicamente excluídos, como negros, índios, pobres, mulheres e as novas demandas da sociedade contemporânea.
Não é possível a reconciliação verdadeira com golpes, com a subtração dos direitos dos aposentados, dos trabalhadores, sem o saneamento, sem habitação digna para todos, sem o respeito pela pluralidade. ­­Ou como disse Francisco em outra ocasião, o mínimo é "com terra, com teto, com trabalho”.
A história do Brasil não terminou no dia 11 de Maio de 2016. O próprio tempo se encarrega de derrotar os que se julgam vitoriosos.
Prossigamos sem ódio, mas sem conivência, submissão ou bajulação.
Aí sim, que Nossa Senhora Aparecida nos ajude para encontrarmos a verdadeira reconciliação a partir da superação das injustiças.

Roberto Malvezzi, Gogó

Equipe CPP/CPT do São Francisco. Músico. Filósofo e Teólogo
robertomalvezzi@hotmail.com
http://site.adital.com.br/site/noticia.php?lang=PT&cod=88867

Nenhum comentário:

Postar um comentário